Posted 10/05/2013 by Rui Malheiro in Especiais
 
 

Wembley Calling. Sem Perdão, Götze.

Borussia Dortmund 1-1 Bayern Munique. Sem Perdão.
Borussia Dortmund 1-1 Bayern Munique. Sem Perdão.

D

ortmund, 4 de maio de 2013. A 21 dias da grande final da Liga dos Campeões, Borussia Dortmund e Bayern de Munique encontraram-se em jogo a contar para a 32ª jornada da Bundesliga. Com o campeonato decidido, algo bem expresso nos 20 pontos de diferença entre 1º (Bayern) e 2º (Dortmund), e após um meio de semana festivo para ambos os clubes, o ambiente de crispação, exacerbado com a confirmação da transferência de Mario Götze para o Bayern, aqueceu o ambiente dentro e fora das quatro linhas. Wembley será o palco do juízo final.

 

SEM PERDÃO.
 
  • Borussia Dortmund 1-1 Bayern Munique. Sem Perdão.

    14º minuto do Real Madrid – Borussia Dortmund. Mário Götze, com uma lesão muscular na perna esquerda, é substituído por Grosskreutz e abraçado por Jürgen Klopp.
    «Super Mario» falha o confronto com o Bayern para a Bundesliga, mas é praticamente certo que estará apto para a grande final de Wembley.

  • Borussia Dortmund 1-1 Bayern Munique. Sem Perdão.

    Dortmund, 4 de maio de 2013. Depois de conseguirem, a meio da semana, a qualificação para a final da Liga dos Campeões, Borussia Dortmund e Bayern Munique encontram-se no Westfalenstadion em jogo a contar para a 32ª jornada da Bundesliga 2012/13.
    A 21 dias da grande final, «Wembley Calling» é o mote dos adeptos dos Schwarzgelben.

  • Borussia Dortmund 1-1 Bayern Munique. Sem Perdão.

    Provocação de um adepto do Borussia Dortmund ao Bayern de Munique:
    «Uma vez cretino, sempre cretino».

  • Borussia Dortmund 1-1 Bayern Munique. Sem Perdão.

    Outra provocação de um adepto do Borussia Dortmund ao Bayern de Munique:
    «Obrigado papá, por não me ter tornado adepto do Bayern. Dortmund: uma forma de vida».

  • Borussia Dortmund 1-1 Bayern Munique. Sem Perdão.

    Festa bávara em Dortmund.
    «Basta olhar, não tocam!!!», pode ler-se na simulação de «Saladeira», o troféu do vencedor da Bundesliga, exibida pelos adeptos do Bayern de Munique.

  • Borussia Dortmund 1-1 Bayern Munique. Sem Perdão.

    Sem perdão. Mario Götze, a ver o jogo na bancada, foi o alvo dos adeptos do Borussia Dortmund:
    «Correr atrás de dinheiro mostra o tamanho do teu coração. Vai-te foder, Götze!».

  • Borussia Dortmund 1-1 Bayern Munique. Sem Perdão.

    Sem perdão (II). Götze riscado: de ídolo a traidor.

  • Borussia Dortmund 1-1 Bayern Munique. Sem Perdão.

    Mensagem fálica dos adeptos do Borussia Dortmund aos directores do Bayern de Munique:
    «Preferimos o amarelo e preto ao vosso dinheiro sujo».

  • Borussia Dortmund 1-1 Bayern Munique. Sem Perdão.

    Mensagem dos adeptos do Borussia Dortmund para Uli Hoeness, presidente do Conselho de Administração do Bayern de Munique:
    «transfermarkt.de: Hoeness por 6 milhões para a prisão».

  • Borussia Dortmund 1-1 Bayern Munique. Sem Perdão.

    11º minuto. Borussia Dortmund em vantagem no marcador. Jakub Blaszczykowski desmarca-se pelo flanco esquerdo, tem espaço para virar-se para dentro e cruza em direcção ao 2º poste, onde aparece Kevin Grosskreutz, sem marcação, a finalizar de pé direito.

  • Borussia Dortmund 1-1 Bayern Munique. Sem Perdão.

    23º minuto. O empate. Cruzamento de Rafinha da direita e Mario Gomez, entre Subotic e Grosskreutz, a cabecear para o 1-1. 11º golo em 848 minutos de utilização do internacional alemão na Bundesliga 12/13.

  • Borussia Dortmund 1-1 Bayern Munique. Sem Perdão.

    60º minuto. Grande oportunidade para o Borussia Dortmund voltar a colocar-se em vantagem. Robert Lewandowski, na transformação de uma grande penalidade, a castigar mão de David Alaba, permite a defesa de Manuel Neuer.

  • Borussia Dortmund 1-1 Bayern Munique. Sem Perdão.

    Após a grande penalidade desperdiçada, Lewandowski e Neuer cumprimentam-se. Um dos raros momentos de «fair play» no jogo, que, rapidamente, iria aquecer.

  • Borussia Dortmund 1-1 Bayern Munique. Sem Perdão.

    Em três minutos, Rafinha vê dois cartões amarelos, o último dos quais merecedor de vermelho directo (agressão a Kuba Blaszczykowski). Ao minuto 65, o Bayern fica reduzido a 10 jogadores.

  • Borussia Dortmund 1-1 Bayern Munique. Sem Perdão.

    Rafinha, muito exaltado com a expulsão, provoca Kuba Blaszczykowski e Jürgen Klopp, que lhe aponta o caminho do balneário.

  • Borussia Dortmund 1-1 Bayern Munique. Sem Perdão.

    Matthias Sammer, técnico adjunto do Bayern, não gostou da atitude de Klopp e protestou. O treinador do Borussia Dortmund não demorou a reagir.

  • Borussia Dortmund 1-1 Bayern Munique. Sem Perdão.

    Choque frontal: Sammer vs. Klopp. Da imprensa para o relvado.

  • Borussia Dortmund 1-1 Bayern Munique. Sem Perdão.

    Fim do quarto embate entre Borussia Dortmund e Bayern em 2012/13. No Westfalenstadion, perante 80.645 espectadores, o mesmo resultado do jogo da 1ª volta em Munique: 1-1. Nos outros dois jogos, final da Supertaça (2-1) e quartos-de-final da Taça (1-0), triunfos do Bayern na Allianz Arena. O juízo final, em campo neutro, expresso num cartaz de um adepto do Dortmund com Klopp a substituir Freddie Mercury como protagonista: «We Will Rock You Wembley!».

 


 

O JOGO

Borussia Dortmund 1-1 Bayern Munique

Ambos os treinadores, em virtude do desgaste provocado pela 2ª mão das meias-finais da Liga dos Campeões a meio da semana, optaram por realizar várias alterações nos seus «onze-base». Com mais 24 horas de descanso em relação ao adversário, como também com um plantel menos rico em segundas escolhas, o Borussia Dortmund manteve 6 titulares da meia-final de Madrid – Weidenfeller, Subotic, Schmelzer, Ilkay Gündogan, Kuba Blaszczykowski e Lewandowski -, enquanto que o Bayern de Munique, menos de 68 horas depois do retumbante triunfo em Barcelona (3-0), repetiu a titularidade de 4 jogadores: Neuer, van Buyten, Boateng e Alaba, este utilizado a ala esquerdo diante do Dortmund, após ter sido lateral esquerdo em Camp Nou. Titulares indiscutíveis como Lahm, Schweinsteiger, Ribéry, Robben ou Mandzukic nem sequer figuraram nos 18 eleitos, o que levou Jupp Heynckes a chamar vários jogadores da equipa de reservas para completar o banco de suplentes.

Mantendo o seu tradicional 4x2x3x1, Klopp utilizou o ala Grosskreutz, que viria a ser o melhor jogador em campo, a lateral direito, experimentando o avançado Schieber a partir do flanco esquerdo do ataque, opção que se revelou um fracasso. Kehl, suplente utilizado em Madrid, e Nuri Sahin, que não saiu do banco no Bernabéu, formaram a dupla de médios centro, enquanto que Ilkay Gündogan assumiu o papel de «10». Sairia, aos 14 minutos, tocado após uma disputa de bola com Contento, o que levou à entrada do promissor Moritz Leitner.

No Bayern, o habitual 4x2x3x1 aproximou-se mais de um 4x4x1x1, com a colocação do veterano internacional peruano Claudio Pizarro nas costas de Mario Gomez. Nas laterais, Rafinha e Contento surgiram como titulares, enquanto que a dupla de médios centro foi formada pelo ucraniano Tymoshchuk e pelo brasileiro Luiz Gustavo, suplentes utilizados diante do Barcelona.

Borussia Dortmund 1-1 Bayern Munique

A grande penalidade que Lewandowski desperdiçou e a expulsão de Rafinha, tudo num espaço de 4 minutos, modificou o sentido do jogos nos últimos 25 minutos da partida. Se, até aí, o Bayern revelou uma maior capacidade para ter a bola, melhor qualidade de passe e mais argumentos para criar desequilíbrios no 1×1, a partir daí o Dortmund, mais forte no capítulo defensivo (desarmes e intercepções), assumiu as despesas do jogo, o que lhe permitiu igualar, até ao fim do jogo, a posse de bola (50%-50%) e criar várias oportunidades de golo: 5 dos 11 remates à baliza aconteceram nos últimos 20 minutos. Heynckes reorganizou a equipa num 4x4x1, fazendo entrar Emre Can para lateral direito e baixando os alas Shaqiri e Alaba. Pouco depois, lançaria Müller na frente de ataque, procurando ganhar mobilidade e aproveitar uma eventual transição. Klopp, por sua vez, aproximou, em momento ofensivo, o desinspirado Schieber de Lewandowski, fazendo entrar Reus, que partiu, preferencialmente, do flanco direito. Apesar de ter tentado, várias vezes, um futebol mais directo, o Dortmund revelou-se mais perigoso quando os dois laterais – Grosskreutz, principalmente, e Schmelzer – ofereceram largura e profundidade ao jogo ofensivo da equipa.

O resumo do Borussia Dortmund 1-1 Bayern Munique.

À chegada ao estádio, Jürgen Klopp apercebe-se que o Werder Bremen, que vencia por 2-0, sofreu 2 golos do Hoffenheim nos últimos 5 minutos. A reacção surpreendente do técnico do Borussia Dortmund.

 
foto de abertura © Reuters

fotografias © imago, ZDF, Sky, AP, PNP, AFP, REUTERS, Getty Images, Focus.


Rui Malheiro

 
analista de futebol, scout e autor. freelancer. escreveu Anuário do Futebol 2008/09 e Anuário do Futebol 2009/10.