Posted 09/03/2011 by Rui Malheiro in Colunas
 
 

CSKA Moscovo: o relatório

PFC CSKA Moskva (Russia) drew with PAOK FC (Greece) 1-1 in the UEFA Europa League Round of 32 second leg and reached the next round. Luzhniki Stadion, Moscow, Russia. 22/02/2011
PFC CSKA Moskva (Russia) drew with PAOK FC (Greece) 1-1 in the UEFA Europa League Round of 32 second leg and reached the next round. Luzhniki Stadion, Moscow, Russia. 22/02/2011

classificado da Liga russa em 2010, a 6 pontos do campeão Zenit, o CSKA Moscovo falhou, pela quarta temporada consecutiva, o objectivo de conquistar o título. Protagonista de um excelente trajecto na Liga Europa, ao completar a fase de grupos com 5 vitórias, 1 empate e 18 golos apontados em 6 jogos, a «Armada» moscovita garantiu a passagem aos oitavos de final da competição, ao deixar pelo caminho, no passado mês de Fevereiro, os gregos do PAOK: após uma vitória em Salónica (1-0), num jogo em que se superiorizaram ao adversário, os «Koni» facilitaram na partida da segunda mão e só um golo do central Ignashevich, a dez minutos do fim, na sequência de uma grande penalidade falhada por Vágner Love, evitou que a partida fosse para prolongamento (1-1). Com o início do campeonato russo marcado para o próximo fim-de-semana – recepção ao Amkar -, o CSKA realizou apenas mais dois jogos oficiais em 2011: venceu, por 1-0, o Shinnik, em jogo a contar para a Taça da Rússia, e perdeu (0-1), no último fim-de-semana, a Supertaça para o Zenit, numa partida em que desperdiçou, principalmente na primeira parte, inúmeras oportunidades para se colocar em vantagem.

Leonid Slutsky, de 39 anos, é, desde o final de Outubro de 2009, o técnico do CSKA Moscovo, depois de passagens por Krylia Sovetov e FC Moscovo. Adepto de um 4x2x3x1, tem recorrido, com mais frequência, nos últimos meses, a um 4x4x2 clássico – com algumas variações para um 4x1x3x2 -, esquema que deverá apresentar diante do FC Porto. As lesões dos alas Zoran Tosic, Mark González, Aleksandrs Cauņa e Sekou Oliseh – regressou, há poucos dias, aos treinos – são a principal preocupação de Slutsky para a eliminatória diante do FC Porto, já que sem alas/extremos disponíveis, será obrigado, à semelhança do que aconteceu frente ao Zenit, a recorrer aos médios ofensivos Honda e Dzagoev, dois jogadores que tiveram lesões durante a pré-temporada, para actuarem nessa posição. Avesso a grandes alterações, subsistem duas dúvidas em relação ao «onze» a apresentar amanhã: o médio centro que acompanhará Mamaev – Aldonin, titular diante do Zenit, ou Šemberas, titular nas duas partidas diante do PAOK – e o jogador que acompanhará o brasileiro Vágner Love no ataque – o veloz e móvel Doumbia ou o possante Necid. Equipa de grande pendor ofensivo e extremamente forte a explorar as saídas rápidas para o ataque, o CSKA tem vindo a demonstrar algumas fragilidades do ponto de vista defensivo, quer por debilidades nas transições ataque-defesa, quer pela falta de velocidade da dupla de centrais, a que se junta alguma exposição excessiva dos laterais, ambos com características marcadamente ofensivas e pouco apoiados, do ponto de vista defensivo, pelos alas.

 

Equipa provável (4x4x2)

CSKA Moscovo: o próximo adversário do FC Porto na Liga Europa

 

 

Análise

Igor Akinfeev é o titular indiscutível e uma das grandes figuras da equipa. Totalmente recuperado da lesão sofrida diante do PAOK, na partida da segunda mão em Moscovo, o «capitão» inicia, aos 24 anos, a sua 9ª temporada como dono da baliza da «Armada». Guarda-redes extremamente competente entre postes, Akinfeev faz-se valer dos seus excelentes reflexos, como também de uma muito boa colocação e de grande agilidade e elasticidade, o que lhe garante um excelente controlo espacial da baliza. Com um muito bom tempo de saída dos postes, tanto em intervenções pelo chão como pelo ar, mostra-se muito forte no um para um com os avançados adversários, pela forma rápida e destemida com que aborda os lances, mas também se sente à vontade nas saídas aéreas, onde a sua impulsão, tempo de salto e boa leitura das situações compensa alguma falta de centímetros. No entanto, mostra-se mais à vontade dentro da pequena área do que fora desta, onde, em algumas situações, assume intervenções de risco. A sua capacidade de liderança e voz de comando garantem-lhe um papel importante na coordenação do sector defensivo, para além de revelar grande à vontade a jogar com os pés. Aliás, assume, várias vezes, um papel importante no lançamento de iniciativas ofensivas, ao explorar o seu forte pontapé de pé direito, como também a sua força de braços. Sergei Chepchugov, o seu suplente, atravessa um período de pouca confiança, fruto do erro colossal que cometeu diante do PAOK, na partida da 2ª mão em Moscovo. Contratado, há um ano, ao Sibir Novosibirsk, onde se destacara, em 2009, como melhor guarda-redes da 2ªdivisão russa, mostra-se mais talhado para intervenções entre postes, ao saber tirar partido dos seus reflexos e agilidade, do que fora destes.

Vasili Berezutski e Sergei Ignashevich formam a habitual dupla de centrais. Jogam juntos, tanto no clube como na Selecção, há praticamente 8 anos, o que lhes permite compensar, em algumas situações, a principal lacuna de ambos: a falta de velocidade. Vasili Berezutski, central destro, também capaz de actuar como lateral, destaca-se pelo seu poder físico, o que lhe permite impor-se nos duelos corpo a corpo, como também pela boa capacidade de desarme e de antecipação, em acções pelo chão e pelo ar, onde tira partido do seu bom jogo aéreo. Central de processos simples e práticos, não costuma assumir acções de risco em zonas proibidas, demonstrando bons argumentos a nível dos lançamentos laterais longos. Sergei Ignashevich é um central muito disponível e poderoso do ponto de vista físico, o que lhe permite impor-se, com grande facilidade, nos lances corpo a corpo. Dotado de um excelente sentido táctico e posicional, o que lhe garante o corte de inúmeras linhas de passe e lhe permite compensar as suas lacunas a nível da velocidade e da agilidade, mostra-se extremamente eficaz a assumir acções de desarme e de antecipação, tanto pelo chão, como pelo ar: o seu bom jogo aéreo não só lhe dá garantias em situação defensiva como a dar sequência a lances de bola parada ofensivos, aspecto onde se revela muito perigoso. Apesar de se tratar de um defesa de processos simples e práticos, que raramente assume acções de risco em zonas proibidas, não revela qualquer inibição a sair a jogar e a assumir a primeira fase de construção de jogo ofensivo, onde procura tirar partido da sua boa visão de jogo e capacidade no passe: não só curto e médio, onde patenteia grande segurança, como também no longo, o que lhe garante um papel crucial no lançamento de alguns contra-ataques e ataques rápidos. Possui também um remate forte de pé direito, que utiliza, principalmente, na transformação de livres directos ou na sequência de lances de bola parada ofensivos – foi ele o autor de 2 dos 3 golos apontados pelo CSKA em 2011.

– Nas laterais, Kirill Nababkin, à direita, e Georgi Schennikov, à esquerda, são os habituais titulares. Kirill Nababkin, de 23 anos, foi contratado, há um ano, ao FC Moscovo, clube onde foi orientado por Leonid Slutsky. Lateral direito de vocação ofensiva, destaca-se pela velocidade e poder de aceleração que imprime às suas acções pelo flanco, para além de evidenciar uma boa capacidade de desmarcação e argumentos no passe lateral e nos cruzamentos, aspectos onde pode evoluir e ganhar uma maior consistência. Do ponto de vista defensivo, evidencia lacunas, pois revela-se algo débil na abordagem aos lances de um para um com os alas adversários, apesar de revelar uma noção táctica e posicional muito razoável, o que lhe permite fechar, com alguma eficácia, espaços interiores. O canhoto Georgi Schennikov, de apenas 19 anos, inicia a sua terceira temporada como titular da «Armada». Apontado como uma das maiores promessas do futebol russo, trata-se de um lateral esquerdo de grande disponibilidade física, capaz de fazer o vaivém defesa-ataque, e com características marcadamente ofensivas, mas débil a nível defensivo, tanto na defesa de espaços exteriores, como interiores, aspecto que tem procurado rever: apesar de agressivo na abordagem aos lances e rápido a atacar a bola, deve melhorar a sua percepção do jogo a nível táctico e posicional, como também o tempo de entrada aos lances, até porque evidencia alguns problemas para se impor no corpo a corpo. No entanto, é, do ponto de vista ofensivo, um lateral desequilibrador, ao tirar partido da sua velocidade, agilidade e poder de aceleração, como também de argumentos a nível do drible, principalmente em espaços mais largos, o que lhe permite criar desequilíbrios no um para um. Deve melhorar, contudo, a sua eficácia no passe lateral e nos cruzamentos, apesar de alguns bons apontamentos: saiu do seu pé esquerdo a assistência para o golo de Necid em Salónica.

– Aleksei Berezutski, irmão gémeo de Vasili Berezutski, é a principal alternativa do ponto de vista defensivo e o técnico Leonid Slutsky não hesita em lança-lo como terceiro central, sobretudo quando pretende defender um resultado, nas fases finais da partida, abdicando de um dos elementos de características ofensivas. Capaz de jogar como central ou lateral, trata-se de um jogador com características marcadamente defensivas e especialista em acções de marcação. Muito forte do ponto de vista físico, o que lhe permite impor-se nos lances corpo a corpo, revela uma boa capacidade de desarme e de antecipação, tanto pelo chão, como pelo ar, até porque se trata de um especialista no futebol aéreo. No entanto, denota alguns problemas a nível da velocidade e do ponto de vista técnico. O lateral direito nigeriano Chidi Odiah, na fase final da recuperação de uma lesão, não deverá ainda estar disponível para o duplo confronto diante do FC Porto.

Pavel Mamaev, jovem internacional AA russo, de 22 anos, tem vindo a ser uma unidade indiscutível para Leonid Slutsky no centro do meio-campo. Jogador de grande disponibilidade física, capaz de aliar argumentos do ponto de vista defensivo e ofensivo, trata-se de uma das maiores promessas do futebol russo. Dotado de grande sentido colectivo e eficaz em acções de recuperação, ao tirar partido da sua capacidade para se impor em acções de antecipação e de desarme, principalmente pelo chão, até porque se trata de um jogador agressivo e pressionante, destaca-se também pelos argumentos para assumir acções de condução de jogo ofensivo, o que torna a sua acção preponderante na ligação entre o meio-campo e o ataque por espaços centrais. Veloz, ágil e com bons argumentos de ordem técnica, consegue criar desequilíbrios no um para um, para além de evidenciar atributos muito interessantes no capítulo do passe, o que lhe permite realizar alguns bons passes de ruptura, e um remate forte de pé direito. A seu lado, poderão jogar o internacional russo Evgeni Aldonin, opção na partida diante do Zenit, ou o internacional lituano Deividas Šemberas, utilizado como titular nos dois jogos diante do PAOK. Aldonin, de 31 anos, para além dos seus argumentos do ponto de vista defensivo, já que se trata de um bom recuperador, forte no desarme e em acções de antecipação, acrescenta, em relação a Šemberas, uma maior capacidade nas saídas, já que é um médio com bons argumentos no passe, principalmente no curto e no médio. Já Deividas Šemberas é um jogador marcadamente defensivo, o que lhe permite ser utilizado como central ou, em caso de necessidade, como lateral. Forte e muito disponível do ponto de vista físico, acrescenta em relação a Aldonin uma maior capacidade no futebol aéreo. O veterano bósnio Elvir Rahimić é a outra opção para o lugar, mas pouco tem contado para Leonid Slutsky. Trata-se, à semelhança de Aldonin, de um médio defensivo com alguma capacidade nas saídas para o ataque, mas os seus quase 35 anos já lhe retiraram alguma da disponibilidade física que o caracterizava.

– Nas alas, as lesões de Zoran Tošić, Mark González, Aleksandrs Cauņa e Sekou Oliseh – regressou, há poucos dias, aos treinos, após uma operação ao joelho – deixam Leonid Slutsky sem opções, obrigando a uma deslocação dos médios ofensivos Keisuke Honda e Alan Dzagoev para as alas. Os dois jogadores, pelo observado na partida diante do Zenit, tendem a deslocar-se para espaços interiores, onde se sentem mais confortáveis, revelando também limitações do ponto de vista defensivo, nomeadamente no acompanhamento das subidas dos laterais adversários, o que deixa os laterais do CSKA muito expostos a situações 2×1.
Keisuke Honda, grande estrela do futebol japonês, tem estado muito em foco na imprensa russa, devido às inúmeras propostas que tem recebido para abandonar o clube: Borussia Dortmund e Nápoles são, de momento, os principais interessados no seu concurso. Mais talhado para ocupar espaços centrais, principalmente como «10», mas também como segundo avançado ou médio centro ofensivo, Honda destaca-se pela sua capacidade para assumir acções de condução e organização de jogo, já que alia velocidade, agilidade e poder de aceleração a um bom poder de drible e excelentes argumentos de ordem técnica, ainda que, em algumas situações, acabe por perder objectividade ao optar por iniciativas individuais. Especialista na execução de lances de bola parada, directos ou indirectos, ao tirar partido do seu remate forte e cheio de efeitos com o pé esquerdo, mas também da sua capacidade nos cruzamentos, a sua boa visão de jogo e capacidade de passe, garantem-lhe, igualmente, um papel importante nas assistências para situações de finalização em lances de bola corrida. Alan Dzagoev é, aos 20 anos, a maior promessa do futebol russo, facto bem expresso pelos seus números em 3 temporadas ao serviço da equipa principal da «Armada»: 29 golos e 25 assistências em 98 jogos oficiais entre Liga e competições europeias. Se é certo que a adopção de um 4x4x2 clássico, em detrimento do 4x2x3x1, fez com que perdesse alguma influência, Dzagoev, claramente mais talhado para ocupar espaços centrais, como «10» ou segundo avançado, destaca-se pela sua visão de jogo e qualidade no passe e nos cruzamentos – principalmente, na sequência de lances de bola parada -, como também pela sua capacidade de desmarcação e facilidade com que aparece em zona de finalização: apesar de ser destro, mostra também potencial em finalizações com o pé esquerdo. Rápido, ágil e capaz de promover acelerações no seu jogo, consegue criar desequilíbrios no um para um, ao conciliar essas características a um bom poder de drible.

Zoran Tošić, médio ala sérvio, contratado, em Julho de 2010, ao Manchester United, numa operação avaliada em 9,5 milhões de euros, será a principal baixa do CSKA para o jogo da primeira mão, sendo ainda muito incerta a sua recuperação para a partida da segunda mão. Médio ala canhoto, Tosic tem-se vindo a fixar, curiosamente, no flanco direito, de forma a explorar a sua capacidade para realizar movimentos em diagonal. Particularmente forte a protagonizar acções de condução de jogo pelo flanco, é um jogador extremamente veloz e de grande mobilidade, capaz de promover acelerações impressionante no seu jogo, como também muito ágil e com grande poder de drible, o que o torna num desequilibrador no um para um, até porque não revela qualquer tipo de receio em partir para cima dos adversários, isto apesar de se tratar de um jogador algo frágil do ponto de vista físico. No entanto, é muito disponível do ponto de vista físico, o que lhe permite actuar a toda a largura da frente ofensiva, patenteando igualmente atributos a nível do passe e dos cruzamentos, em bola corrida ou parada, o que lhe garante várias assistências para situações de finalização, ainda que possa tornar-se mais sólido nesses itens. Inteligente a desmarcar-se, o que lhe permite aparecer, com grande perspicácia em zona de finalização, tanto dentro como fora da área, revela facilidade de remate com o pé esquerdo, não só na sequência de lances de bola corrida, como também na execução de livres directos, uma das suas especialidades. O jovem internacional lituano Aleksandrs Cauņa, reforço da «Armada» para 2011, aproveitou a lesão do chileno Mark González para começar a época titular, mas uma lesão irá afasta-lo, pelo menos, da partida da primeira mão. Se é certo que o seu rendimento nas duas partidas diante do PAOK esteve muito longe de ser satisfatório do ponto de vista ofensivo, o que até motivou algumas críticas por parte da imprensa, o ala esquerdo lituano destacou-se, principalmente, pela grande disponibilidade física, agressividade e capacidade para fechar o flanco. Bem mais difícil parece ser a recuperação do internacional chileno Mark González, a contas com problemas num joelho. O antigo jogador do Liverpool e Betis, conhecido, apesar do seu inegável talento, pela pouca consistência a nível exibicional e pelas inúmeras lesões nos joelhos, seria a opção principal para a ala esquerda, onde, normalmente, se faz valer da sua impressionante velocidade e poder de aceleração, factores determinantes para criar desequilíbrios no um para um, até porque se trata de um extremo agressivo a partir para cima dos adversários. O libanês, de origem nigeriana, Sekou Oliseh recuperou, em tempo record, de uma intervenção cirúrgica ao joelho, mas, apesar de já ter sido incorporado nos treinos, Leonid Slutsky não quererá arriscar um regresso prematuro à competição. Descoberto, no Verão de 2010, nos dinamarqueses do FC Midtjylland, Oliseh, de 20 anos, é um médio ala/extremo direito que tem na velocidade, capacidade de aceleração e poder de drible as suas principais virtudes, ainda que tenda a individualizar, de forma excessiva, as suas acções, perdendo objectividade. No entanto, tem vindo a ganhar uma maior capacidade a nível do remate – utiliza, preferencialmente, o pé direito – e nos cruzamentos, fruto do trabalho que tem vindo a realizar no clube.

Vágner Love, mesmo a atravessar um período difícil, já que a imprensa russa tem destacado o facto de ainda não ter marcado nenhum golo em 2011 e, sobretudo, de se ter revelado muito perdulário nas primeiras partidas da temporada, deverá manter a titularidade. No entanto, subsistem muitas dúvidas sobre quem será o seu companheiro no ataque: o internacional checo Tomáš Necid, autor de 6 golos em 9 partidas na edição deste ano da Liga Europa, ou Seydou Doumbia, internacional AA pela Costa do Marfim, um especialista em estratégias que privilegiem contra-ataques e ataques rápidos, e que também tem vindo a evidenciar uma grande capacidade de finalização na edição deste ano da Liga Europa, ao apontar 7 golos em 5 jogos.
De regresso, em Julho de 2010, ao futebol russo, após um ano no Brasil, onde representou Palmeiras e Flamengo, Vágner Love acabou a temporada 2010 em grande, ao apontar 9 golos em 15 jogos na Liga russa. Avançado que gosta de actuar como principal referência ofensiva, isto apesar de não possuir as características físicas de um típico «9», revela-se particularmente talhado para estratégias que privilegiem contra-ataques e ataques rápidos, de forma a explorar a sua mobilidade, velocidade e a sua capacidade para promover acelerações. Extremamente oportuno a aparecer em zona de finalização, ao tirar partido do seu muito bom poder de desmarcação, principalmente em acções sem bola, como também da sua astúcia a conquistar posição aos defesas adversários, já que é muito forte em acções de antecipação, evidencia um remate fácil com ambos os pés, ainda que o direito seja o que melhor define, para além de se tratar de um especialista na conversão de grandes penalidades. Muito ágil, o que lhe permite protagonizar bons movimentos de rotação, patenteia também predicados a criar desequilíbrios no um para um e a nível do passe, principalmente curto, o que lhe permite realizar algumas assistências para situações de finalização. Falta-lhe, contudo, uma maior consciência colectiva, já que para além de individualizar, algumas vezes de forma excessiva, as suas acções, tende a alhear-se de determinadas fases do jogo, mostrando pouca capacidade de luta e de trabalho. Tomáš Necid, jovem internacional AA checo, contratado, em Janeiro de 2009, ao Slavia Praga, numa operação avaliada em 4,5 milhões de euros, tem confirmado, no futebol russo, a sua impressionante capacidade de finalização, mesmo que utilizado, muitas vezes, a partir do banco. Avançado centro com as características típicas de um «9», Necid não limita a sua acção à área e gosta de partir de posições exteriores, de forma a tirar partido da sua velocidade, mobilidade e capacidade de aceleração, pouco habituais num jogador com as suas características físicas, o que o torna extremamente potente nos últimos 25-30 metros. Muito forte fisicamente e com grande capacidade de choque, o que lhe permite impor-se nos lances corpo a corpo, mostra competência a jogar de costas para a baliza, em acções de temporização e a criar espaços de penetração para os seus colegas de equipa, até porque revela argumentos no passe curto, como também a protagonizar movimentos de rotação, pois alia agilidade a poder físico e é capaz de criar desequilíbrios no um para um em espaços curtos. Muito oportuno a aparecer em zona de finalização, ao saber tirar partido também da sua capacidade de antecipação sobre os defesas adversários, mostra facilidade de remate com ambos os pés – o direito é o que melhor define, mas o esquerdo não é cego -, para além de se revelar forte no jogo aéreo, explorando a sua elevada estatura. Jogador com grande sentido colectivo, Necid funciona, muitas vezes, como primeiro defesa, assumindo acções de pressão no meio-campo defensivo dos adversários, o que lhe permite efectuar algumas recuperações, até porque é muito agressivo a atacar a bola. Seydou Doumbia, avançado, de 23 anos, que se destacou ao serviço do Young Boys, ao marcar 50 golos em 2 épocas na Liga suíça, o que levou o CSKA Moscovo a investir 10 milhões de euros na sua aquisição, trata-se de um jogador capaz de actuar a toda a largura do ataque, partindo, muitas vezes, das alas, de forma a explorar a sua capacidade para realizar diagonais, um dos pontos mais fortes do seu jogo. Veloz, extremamente móvel e capaz de imprimir grandes acelerações às suas acções, o que aliado a um muito razoável poder de drible, o torna muito perigoso no um para um, Doumbia é muito perspicaz a desmarcar-se e a aparecer em zona de finalização, patenteando grande acutilância a romper de espaços exteriores em direcção à área, em acções com bola e, sobretudo, sem bola, tirando depois partido de uma boa capacidade de antecipação sobre os defesas adversários e de um remate fácil com ambos os pés – o direito é o seu mais forte e o que melhor define -, a que acrescenta ainda uma boa capacidade no futebol aéreo, graças a um bom poder de impulsão.

 

Os 4 jogos oficiais do CSKA Moscovo em 2011

07-03-2011, Supertaça, Zenit (n), 0-1 (D) – 4x4x2

 
Zenit - CSKA Moscovo

28-02-2011, Taça, Shinnik (c), 1-0 (V) – 4x1x3x2

 
CSKA Moscovo - Shinnik

22-02-2011, Liga Europa, PAOK (c), 1-1 (E) – 4x4x2

 
CSKA Moscovo - PAOK

17-02-2011, Liga Europa, PAOK (f), 1-0 (V) – 4x4x2

 
PAOK - CSKA Moscovo

 

Multimédia: CSKA Moscovo em 2011

 

 

foto de abertura © Demotix Images


Rui Malheiro

 
analista de futebol, scout e autor. freelancer. escreveu Anuário do Futebol 2008/09 e Anuário do Futebol 2009/10.