Espanha 2008/09: FC Barcelona

FC Barcelona
FC Barcelona

FC BARCELONA: O CAMPEÃO

E

tudo o Barcelona levou. O triplo triunfo de uma equipa com uma qualidade de jogo como há muito não se via e que esgotou todas as possibilidades de adjectivação conduziu os «Blaugranas» a uma das melhores épocas – para muitos, a melhor – da sua história. Nada, no entanto, que fosse previsível no arranque do exercício, marcado pelas dúvidas sobre a aposta do presidente Laporta no jovem técnico Pep Guardiola, verdadeira referência do «Barcelonismo», e pela reformulação do plantel, onde as dispensas de Deco e Ronaldinho Gaúcho, aos quais esteve muito perto de se juntar Eto’o, não recolheram consenso, mas assinalaram desde logo três vértices do êxito culé: carácter, respeito e disciplina. Um início de época trémulo, em virtude das derrotas nas deslocações ao terreno do Wisla Cracóvia e Numancia, como também pelo empate na recepção ao Racing Santander, aumentou os focos de contestação em torno de Guardiola, abafados por uma impressionante série de 11 vitórias consecutivas, algumas delas verdadeiramente retumbantes, entre as três competições em que estava envolvido. A controvérsia deu lugar à euforia e ao deleite, não demorando a surgir as comparações com o «Dream Team» de Cruyff, que se foram avolumando semana após semana, e nem mesmo um período de crise em Fevereiro, com 5 jogos sem vencer entre Liga, Taça e Liga dos Campeões, travou a marcha gloriosa do Barcelona, sempre fiel ao seu estilo: um 4x3x3 com um futebol maiúsculo e pressionante a toda a largura do terreno. Arrasadores nas grandes decisões, os «Blaugranas» dizimaram o Real Madrid em Santiago Bernabéu no jogo do título (6-2), como também derrotaram de forma inequívoca o Athletic Bilbao (4-1) e Manchester United (2-0), nas finais da Taça do Rei e da Liga dos Campeões, a que juntaram a superação de diversos recordes: 105 golos marcados na Liga, o melhor registo de sempre da história culé; 85 pontos conquistados, o maior registo pontual de sempre de um clube na Liga espanhola; 36 golos marcados em 15 jogos na Liga dos Campeões, o que perfaz uma média superior a 3 golos por jogo. Alcançado o «triplete», o Barcelona procurará, no segundo semestre de 2009, conquistar um memorável «sextuplete», juntando as vitórias na Supertaça espanhola, Supertaça europeia e Mundial de Clubes aos triunfos na Liga, Taça do Rei e Liga dos Campeões.

 
Estatísticas

Nac. Pos. Nome J G A V Min.
FRA D Eric ABIDAL 25 0 5 1 2.116
ESP M ABRAHAM González 1 0 0 0 15
ESP A BOJAN KRKIC 23 2 3 0 736
ESP D Alberto BOTÍA 1 0 0 0 28
ESP M Sergio BUSQUETS 24 1 9 0 1.535
URU D Martín CÁCERES 13 0 0 0 783
BRA D DANIEL ALVES 34 5 10 0 2.925
CMR A Samuel ETO’O 36 30 9 0 2.929
ISL M Eidur GUDJOHNSEN 24 3 2 0 1.036
FRA A Thierry HENRY 29 19 3 0 2.112
BLR AM Aleksandr HLEB 19 0 0 0 730
ESP MA Andrés INIESTA 26 4 3 0 1.901
ESP M JEFFREN Suárez 2 0 0 0 30
MLI M Seydou KEITA 29 4 0 1 1.529
ESP D MARC MUNIESA 1 0 0 1 31
MEX D Rafael MARQUEZ 23 1 6 1 1.987
ARG A Lionel MESSI 31 23 2 0 2.516
ESP G OIER Olazábal 1 0 0 0 90
ESP A PEDRO RODRÍGUEZ «Pedrito» 6 0 0 0 355
ESP G José PINTO 2 0 0 0 180
ESP D Gerard PIQUÉ 25 1 6 2 2.205
ESP D Carles PUYOL 28 1 4 0 2.384
BRA D SYLVINHO 15 0 0 0 878
ESP M THIAGO ALCANTARA 1 0 0 0 18
CIV M Yaya TOURÉ 25 2 4 0 1.924
ESP M VÍCTOR SÁNCHEZ 7 0 0 0 250
ESP G VÍCTOR VALDÉS 35 0 3 0 3.150
ESP M XAVI Hernández 35 6 4 0 2.973
ESP M Xavier «XAVI» TORRES 2 0 1 0 180

 
Treinador

Pep Guardiola
foto © Reuters

JOSEP «PEP» GUARDIOLA

Grande referência do «barcelonismo» e símbolo da Catalunha, graças ao seu brilhante trajecto como jogador, foi a escolha surpresa de Laporta para suceder a Rijkaard no comando técnico do Barcelona, depois de uma estreia vitoriosa como treinador ao serviço da equipa secundária, que conduziu da 3ª para a 2ªB. Às dúvidas iniciais em relação à sua inexperiência respondeu com pulso forte, colocando Ronaldinho e Deco na lista de dispensas e apostando no rejuvenescimento do plantel, de forma a devolver ambição ao grupo. O início de época periclitante não o fez tremer: manteve a aposta num 4x3x3 que, sem perder o rigor táctico, privilegiou sempre um futebol bonito, de posse e toque de bola, com muita velocidade e permanentes combinações e desmarcações. Os resultados não tardaram a chegar, assim como as comparações com o «Dream Team» de Cruyff. Estava montada uma máquina imbatível, capaz de produzir um futebol sublime que guindou o Barcelona ao «triplete» com uma incontestada superioridade sobre os rivais.

Treinador Sistema Táctico Outras Opções Período
Pep Guardiola 4x3x3 toda a época.
Treinador J V E D Med.
Pep Guardiola 38 27 6 5 2.289

 
Equipa Tipo

FC Barcelona: táctica

 
As Figuras

Lionel Messi
foto © AFP

Lionel Messi

Andrés Iniesta
foto © Getty Images

Andrés Iniesta

Xavi
foto © Getty Images

Xavi

Samuel Eto'o
foto © Reuters

Samuel Eto’o

Gerard Piqué
foto © Reuters

Gerard Piqué

 
foto de abertura © REUTERS


Rui Malheiro

 
analista de futebol, scout e autor. freelancer. escreveu Anuário do Futebol 2008/09 e Anuário do Futebol 2009/10.