Posted 29/03/2013 by Daniel Pires in Convidados
 
 

Feyenoord. O futuro a Sul do Nieuwe Mass.

Feynoord. O futuro a Sul do Nieuwe Mass.
Feynoord. O futuro a Sul do Nieuwe Mass.

A Sul do Nieuwe Mass

A Sul do Nieuwe Mass

O

De Kuip está ali, bem perto do Nieuwe Mass, o rio que banha Roterdão, uma das maiores cidades da Holanda. O Feyenoord é o clube principal da cidade e este ano, sob o comando de Ronald Koeman, poderá atingir um objectivo que persegue há 14 anos: voltar a ser campeão holandês.

Desde 1999 que o Feyenoord apenas ganhou, em 2008, uma Taça holandesa, numa altura em que tinha jogadores como Giovanni van Bronckhorst, Nuri Sahin, Georginio Wijnaldum, Leroy Fer e Roy Makaay, treinados por Bert van Marwijk, que depois iria orientar a selecção holandesa no Mundial de 2010 e no Europeu de 2012.

Com a chegada de Koeman ao clube no ano passado e aproveitando as condições ímpares que a formação de jogadores holandeses produz, o Feyenoord tornou-se, esta época, numa das equipas candidatas ao título na Eredivisie. Para se ter uma ideia de como a formação do Feyenoord influencia o seu estilo de jogo, basta ver que nos dois últimos jogos de qualificação para o Mundial de 2014, Louis Van Gaal convocou 7 jogadores do clube de Roterdão: Stefan de Vrij (21 anos), Daryl Janmaat (23 anos), Bruno Martins Indi (21 anos), Jordy Clasie (21 anos), Tony Vilhena (18 anos) e dois jogadores mais experientes, como Joris Mathijsen (32 anos) e Ruben Schaken (30 anos).

Se o Feyenoord mantiver a base da equipa para os próximos anos, o domínio do futebol nos Países Baixos está assegurado para o clube de Roterdão. No entanto, a dimensão da Eredivisie é demasiada pequena para estes talentos todos e os grandes clubes europeus já andam de olho nas pérolas holandesas do De Kuip. A Fiorentina já fez propostas por Clasie e de Vrij (que, com 21 anos, já é capitão do Feyenoord) e Martins Indi já anda no radar de vários clubes da Premier League. No entanto, concentremo-nos em três dos jogadores mais importantes deste Feyenoord, segundo Mark van Rijswijk, jornalista do Eredivisie Channel e especialista em futebol holandês: Clasie, Martins Indi e Boetius.

Jordy Clasie

Jordy Clasie

Na Holanda, muitos comparam Jordy Clasie ao médio do Barcelona, Xavi Hernández. Não só pelo tamanho, mas também pela capacidade de passe, posse e roubo de bola. Clasie é, neste momento, um meio-campista com uma dinâmica muito própria e especial, com um potencial enorme. A Fiorentina ofereceu cerca de 5,5 milhões de euros pelo jogador holandês, mas se o quiser levar do De Kuip tem, no mínimo, de dobrar a oferta.

Clasie não era o melhor talento que tinha chegado à Academia do Feyenoord. Todos os anos, os seus treinadores tinham dúvidas acerca do seu talento para jogar à bola, questionando-se mesmo se ele alguma vez chegaria à equipa principal. Até ao exercício – 2010/11 – em que foi emprestado ao Excelsior. No pequeno clube de Roterdão, explodiu e o Feyenoord resolveu dar-lhe uma oportunidade na equipa principal. E ao darem-na, Clasie aproveitou.

Não importa se joga contra grandes clubes, como o Ajax, ou pequenos clubes, como o Zwolle, já que o seu exemplo é igual em todos os jogos, assim como a sua classe e interesse pela equipa em atingir os objectivos. Quer na conquista de bolas, quer no passe e posse, Clasie é realmente um caso à parte e isso irá garantir-lhe muitas internacionalizações.

Bruno Martins Indi

Bruno Martins Indi

Bruno Martins Indi tem uma história muito interessante, especialmente quando olhamos não só para a sua situação no Feyenoord, mas também para a Selecção nacional holandesa. Martins Indi nasceu em Portugal, no Barreiro, mas mudou-se para a Holanda com três anos de idade. Poderia ter escolhido também a Selecção portuguesa, mas optou pela holandesa.

Defesa lateral esquerdo de raiz, na Selecção da Holanda joga a defesa central, a sua posição de formação. O mais curioso é que Ronald Koeman no Feyenoord, opta por colocar a jogar a defesa central do lado esquerdo Joris Mathijsen, curiosamente aquele jogador que é preterido na Selecção por Indi. Em todos os jogos, a pergunta dos jornalistas é sempre a mesma e prende-se com o facto de jogar numa posição no seu clube de origem e noutra posição na Selecção holandesa. A grande virtude e vantagem de Indi é que, mesmo jogando nas duas posições, ele é extremamente competente e isso faz com que seja um dos nomes apontados para sair na próxima época de Roterdão.

Jean-Paul Boëtius

Jean-Paul Boëtius

Jean-Paul Boëtius teve um grande impacto quando se estreou pelo Feyenoord. Ronald Koemam decidiu dar-lhe a titularidade precisamente no jogo contra o grande rival, Ajax, naquele que é o maior jogo disputado na Holanda. Fez a sua estreia como extremo esquerdo, quando só tinha 18 anos, e as críticas foram todas positivas para o menino que tinha acabado de se mostrar. Logo no jogo de estreia, defrontou o actual defesa direito titular da selecção holandesa: Ricardo Van Rhijn, que não conseguiu parar Boëtius. Para além de marcar um golo, fez uma exibição de encher o olho.

Estávamos em Outubro de 2012 e quando todos pensavam que a forma de Boëtius iria abrandar, o extremo holandês continuou a jogar a um nível bastante alto. Todos os defesas direitos que jogam no campeonato holandês têm tido dificuldades em parar o seu jogo, o quem tem favorecido imenso o Feyenoord e a sua referência no ataque, o italiano Graziano Pelle. Sobre a estreia do menino holandês, o italiano foi taxativo: “Quando Ronald Koeman anunciou no balneário que o Jean-Paul iria ser titular contra o Ajax, eu pensei que ele estava a brincar. Em Itália, ninguém com essa idade é lançado num jogo importante, como o Jean-Paul foi. Mas ainda bem, já que ele tem provado, em todos os jogos, o quanto Koeman estava certo naquele dia.

Estes três jogadores do Feyenoord de hoje em dia são o exemplo de que não tem de haver problema em apostar nos jovens, se eles tiverem valor para tal. Nem que para com isso, tenham de ir parar a clubes mais pequenos para se desenvolverem e evoluírem como deve ser. É tudo uma questão de racionalidade e cultura desportiva, algo que é tão forte nuns países e noutros nem por isso…

 
foto de abertura © VI-Images

fotografias © VI-Images; brunomartinsindi.com; feyenoordforum.net.


Daniel Pires

 
35 Anos. Produtor de TV. Pós-Graduado em Marketing Desportivo. Licenciado em Marketing. Apaixonado por futebol.