Grécia 2008/09

Olympiakos
Olympiakos

Balanço

L

íder do início ao fim da prova, o Olympiakos efectuou uma caminhada segura e tranquila rumo ao histórico 37º campeonato grego do seu palmarés, o que lhe permite somar mais títulos do que todos os outros clubes juntos. Ernesto Valverde, técnico espanhol que se distinguira pelos bons trabalhos realizados no Espanyol e Athletic, foi quem transportou o Olympiakos ao seu 5º título consecutivo e 12º nos últimos 13 exercícios, confirmado a três jornadas do fim, depois de uma vitória suada no terreno do Panionios (3-2). Fortíssimos a jogar no seu terreno, onde somaram 13 triunfos e 1 empate em 15 jogos, os «Vermelhos e brancos» não realizaram uma trajectória extramuros tão demolidora, mas ainda assim foi suficiente para assegurarem o melhor registo como visitantes. A assinalável consistência defensiva que garantiu apenas 14 golos sofridos no decurso da temporada, sendo que nenhum deles aconteceu diante de Panathinaïkos, AEK e PAOK, foi uma das chaves do sucesso da formação orientada por Valverde, que se revelou bem mais ofensiva intramuros do que nas deslocações, onde, muitas vezes, o técnico espanhol optou por estratégias mais expectantes, o que nem sempre foi bem aceite pelos adeptos. Ao título nacional, o Olympiakos viria a juntar a vitória na Taça, que valeu a segunda «dobradinha» consecutiva, depois de uma final épica diante do AEK Atenas, apenas resolvida após a marcação de 34 pontapés da marca de grande penalidade, na sequência de um espectacular 3-3 no final do tempo regulamentar e de um 4-4 depois do prolongamento. Contudo, a excelente época a nível interno não obteve a esperada correspondência na trajectória europeia: eliminado da fase de grupos da Liga dos Campeões pelos cipriotas do Anorthosis, ao não conseguir dar a volta a um escandaloso 0-3 em Larnaca, a formação de Piréu passou pela Taça UEFA, onde cairia com alguma surpresa, após uma dupla derrota diante do Saint-Étienne, nos 16 avos de final da competição, não dando sequência às goleadas infligidas a Nordjslaelland (5-0), Benfica (5-1) e Hertha Berlim (4-0), que elevaram as expectativas sobre uma época de êxito também a nível internacional. O triunfo no playoff final garantiu ao Panathianaïkos o 2º lugar e a presença, à semelhança do que acontecerá com o Olympiakos, na 3ª pré-eliminatória de acesso à fase de grupos da Liga dos Campeões. Um desfecho justo para os «Verdes» de Atenas que protagonizaram uma espectacular recuperação – 12 vitórias e 5 empates nos últimos 17 jogos do campeonato – depois de um início de época decepcionante, que chegou a colocar em risco o lugar do técnico holandês Henk Ten Cate. O PAOK, orientado tecnicamente por Fernando Santos e onde actuaram Sérgio Conceição e Vieirinha, saiu como grande derrotado do playoff ao cair na 4ª posição, depois de um espectacular desempenho na fase regular da Liga, que concluiu num brilhante 2º lugar. O duplo confronto diante de Panathinaïkos e AEK, onde somou 4 derrotas, acabou por se revelar determinante para o tombo classificativo final. Já o AEK, de Edinho e Geraldo, realizou uma temporada aquém das expectativas, mas conseguiu ultrapassar o PAOK e garantir o 3º posto.

 

Classificação:

 1.Olympiakos              30 22  5  3 50-14  71  Campeão; Liga Campeões (3ª Pré)
------------------------------------------------
 2.PAOK                    30 18  9  3 39-16  63  Playoff Liga dos Campeões
 3.Panathinaïkos           30 17 10  3 51-18  61  Playoff Liga dos Campeões
 4.AEK Atenas              30 14 13  3 40-24  55  Playoff Liga dos Campeões
 5.Larissa                 30 12 13  5 36-26  49  Playoff Liga dos Campeões
------------------------------------------------
 6.Aris                    30 13  8  9 30-31  47
 7.Skoda Xanthi            30  9 11 10 25-21  38
 8.Panionios               30 10  7 13 40-40  37
 9.Ergotelis               30  9  9 12 31-39  36
10.Iraklis                 30  8  9 13 22-38  33  
11.Panthrakikos            30  9  6 15 23-37  33  
12.Asteras Tripolis        30  7 12 11 33-31  33  
13.Levadiakos              30  9  5 16 28-36  32
------------------------------------------------
14.OFI                     30  5  9 16 30-50  24  Despromovido
15.Panserraïkos            30  5  9 16 19-45  24  Despromovido
16.Thrasyvoulos Fylis      30  3  5 22 22-53  14  Despromovido

 

Playoff Liga Campeões

 2.Panathinaïkos      6  5  1  0 12-3  18 [+2] Liga Campeões (3ª pré)
 3.AEK Atenas         6  3  2  1  8-6  12 [+1] Liga Europa (eliminatória acesso)
 4.PAOK               6  2  0  4  5-9   9 [+3] Liga Europa (3ª pré)
 5.Larissa            6  0  1  5  3-10  1      Liga Europa (2ª pré)

Nota: PAOK, 2º classificado da fase regular, partiu com 3 pontos de bónus para a fase final.
Panathinaïkos, 3º classificado na fase regular, partiu com 2 pontos de bónus para a fase final.
AEK Atenas, 4º classificado na fase regular, partiu com 1 ponto de bónus para a fase final.

 

Quem Subiu:

Atromitos, PAS Giannina, Kavala.

 

Melhores Marcadores

ISMAEL BLANCO (AEK Atenas), 14
Luciano GALLETTI (Olympiakos), 14
Dimitris SALPIGIDIS (Panathinaïkos), 10
Maciej ZURAWSKI (Larissa), 9
LEONARDO Rodrigues Pereira (Levadiakos), 9
Danijel CESAREC (Asteras Tripolis), 8
Patrick OGUNSOTO (Ergotelis), 8
Zdravko POPOVIC (OFI), 8
Lucio FILOMENO (Asteras Tripolis), 7
DAME N’DOYE (OFI), 7
Bennard YAO KUMORDZI (Panionios), 7
Fabián ESTOYANOFF (Panionios), 7
Rafik DJEBBOUR (AEK Atenas), 7
Ibrahima BAKAYOKO (PAOK), 7
Zlatan MUSLIMOVIC (PAOK), 7
Arnaldo Edi da Silva «EDINHO» (AEK Atenas), 7
Ignacio SCOCCO (AEK Atenas), 6
Mario BUDIMIR (Ergotelis), 6
Antonis PETROPOULOS (Panathinaïkos), 6
Abdul DIALLO (Panthrakikos), 6
CLEITON Silva (Panathinaïkos), 6
Vladimir IVIC (PAOK), 6
Vangelis KAOUNOS (Asteras Tripolis), 6
Facundo Manuel PARRA (Larissa), 6
DIOGO Luís Santo (Olympiakos), 6
Anderson Marcelo da Silva «MARCELÃO» (Asteras Tripolis), 6

 

Dados Relevantes

O Campeão

37º título grego do Olympiakos, o quinto consecutivo desde 2004/05. Com este triunfo, a formação de Pireu passou a somar mais campeonatos que todos os outros clubes juntos, para além de ter garantido o seu 12º título nas últimas 13 temporadas.

Clubes com mais títulos

Olympiakos (37), Panathinaïkos (19), AEK Atenas (11), Aris (3), PAOK (2) e Larisa (1).

Mais vitórias

Olympiakos (22).

Menos derrotas

Olympiakos, PAOK, Panathinaïkos e AEK Atenas (3).

Melhor ataque

Panathinaïkos (51).

Melhor defesa

Olympiakos (14).

Menos empates

Olympiakos, Levadiakos e Thrasyvoulos Fylis (5).

Mais empates

AEK Atenas e Larissa (13).

Menos vitórias

Thrasyvoulos Fylis (3).

Mais derrotas

Thrasyvoulos Fylis (22).

Pior ataque

Panserraïkos (19).

Pior defesa

Thrasyvoulos Fylis (53).

Melhor equipa nos jogos em casa

Olympiakos (40). 13 vitórias, 1 empate e 1 derrota.

Melhor equipa nos jogos fora de casa

Olympiakos (31). 9 vitórias, 4 empates e 2 derrotas.

Melhor série de vitórias consecutivas

Olympiakos (8). Entre a jornada 15 e a jornada 22.

Melhor série de jogos consecutivos sem perder

Olympiakos (15). Entre a jornada 8 e a jornada 22.

Pior série de derrotas consecutivas

Thrasyvoulos Fylis (8). Entre a jornada 20 e a jornada 27.

Pior série de jogos consecutivos sem vencer

Panserraïkos (14). Entre a jornada 6 e a jornada 19, período em que somou 6 empates e 8 derrotas.

Média de golos

2,2 golos por jogo. Representou um decréscimo de 0,1 em relação ao exercício anterior, em que a média de golos por jogo foi de 2,3.

Jogos com mais golos

Asteras Tripolis – Panionios (3-4), Ergotelis – Panionios (2-5), OFI – Panthrakikos (4-3) e Larissa – OFI (4-3).

Maior goleada

Olympiakos – Iraklis (5-0).

Resultados mais comuns

1-0 (51), 2-1 (39), 0-0 (36), 2-0 (30) e 1-1 (29).

Percentagem de jogadores gregos utilizados na Liga

43,9%. Representou uma queda de 3% em relação à época anterior (46,9%).

Equipa mais nacional

Iraklis – 60% de utilização de jogadores gregos.

Equipa menos nacional

Aris – 17,5% de utilização de jogadores gregos.
Das 16 equipas participantes na Liga, 12 ficaram abaixo dos 50% de utilização de jogadores gregos. As excepções foram Iraklis, Thrasyvoulos Fylis, Larissa e Panserraïkos.

Países mais representados (utilização em jogos da Liga)

Grécia (43,9%), Argentina (9,4%), Brasil (8,5%), Espanha (4,6%), Polónia (2,8%), Croácia (2,5%), Sérvia (2,3%), Portugal e Uruguai (1,9%).

Portugueses

11 futebolistas portugueses actuaram na Liga grega em 2008/09, o que representa um acréscimo de 2 jogadores em relação ao exercício passado. As notas de maior destaque vão para Sérgio Conceição, médio ala direito do PAOK, e Edinho, avançado versátil do AEK Atenas. Sérgio Conceição, de 34 anos, assumiu-se como figura de proa da excelente prestação da formação orientada por Fernando Santos durante a fase regular da Liga, juntando 9 assistências a 4 golos. Já Edinho, muitas vezes utilizado a partir do banco – 16 dos 25 jogos na condição de suplente utilizado -, foi o goleador mais eficaz do campeonato grego entre os que disputaram mais de metade dos jogos da temporada, apontando 1 golo a cada 117 minutos de utilização. Ao todo foram 7 tentos, a que juntou ainda 2 assistências, que fizeram dele o segundo melhor marcador do AEK Atenas, a par do franco-argelino Rafik Djebbour.

Os números dos jogadores portugueses na Liga grega 2008/09: Edinho (AEK Atenas, 25 jogos/7 golos + 4 jogos/0 golos no Playoff); Geraldo (AEK Atenas, 10 jogos/0 golos + 2 jogos/0 golos no Playoff); Sérgio Conceição (PAOK, 24 jogos/4 golos + 4 jogos/1 golo no Playoff); Vieirinha (PAOK, 16 jogos/1 golo + 5 jogos/0 golos no Playoff); Lourenço (Panionios, 10 jogos/2 golos); Kenedy (Ergotelis, 13 jogos/0 golos); Fabeta (Asteras Tripolis, 1 jogo/0 golos); Fábio Felício (Asteras Tripolis, 6 jogos/0 golos); Jorginho (Asteras Tripolis, 8 jogos/0 golos); Ricardo Esteves (Asteras Tripolis, 16 jogos/0 golos); Manuel Lopes (luso-moçambicano, Panthrakikos, 24 jogos/0 golos).

Jogadores mais utilizados

– Stefanos Kotsolis, Larissa, 30 jogos, 2700 minutos (totalista)
– Kostas Chalkias, PAOK, 29 jogos, 2610 minutos
– Diego Sebastián Saja, AEK Atenas, 29 jogos, 2610 minutos
– Ismael Blanco, AEK Atenas, 30 jogos, 2547 minutos.

Jogadores com melhor média pontual

(entre os jogadores que completaram mais de metade da época: 16 jogos)

– Paraskevas Antzas, Olympiakos, 2,778 (18 jogos)
– Sebástian Leto, Olympiakos, 2,625 (24 jogos)
– Luciano Galletti, Olympiakos, 2,556 (27 jogos)
– Fernando Belluschi, Olympiakos, 2,480 (25 jogos).

O melhor marcador

Ismael Blanco, avançado argentino do AEK Atenas, que já se afirmara como melhor marcador da Liga grega em 2007/08, e Luciano Galletti, extremo do Olympiakos, partilharam o título de melhor marcador do campeonato.

Ismael Blanco (AEK Atenas)
14 golos em 30 jogos
7 golos apontados em casa e 7 em jogos extramuros
9 golos obtidos na primeira parte e 5 na segunda parte
Marcou golos em 13 partidas: 12 golos foram «solitários», aos quais juntou 1 «dupla», obtida na deslocação vitoriosa (5-1) ao terreno do Panserraïkos.

Luciano Galletti (Olympiakos)
14 golos em 27 jogos
9 golos apontados em casa e 5 em jogos extramuros
5 golos obtidos na primeira parte e 9 na segunda parte
Marcou golos em 12 partidas: 10 golos foram «solitários», aos quais juntou 2 «duplas», nas recepções vitoriosas ao Asteras Tripolis (3-1) e Panthrakikos (2-0), jogo em que desperdiçou uma grande penalidade.

Jogador com a melhor série de jogos consecutivos a marcar golos

Leonardo (Levadiakos), 5.

Jogador mais eficaz

(entre os jogadores que completaram mais de metade da época: 16 jogos)

Edinho (AEK Atenas), 1 golo a cada 117 minutos de utilização.

Melhor «joker» – jogador com mais golos como suplente utilizado

Jozef Kozlei (Thrasyvoulos Fylis), 4 golos em 11 partidas como suplente utilizado.
Ibrahima Bakayoko (PAOK), Ante Rukavina (Panathinaïkos) e Edinho (AEK Atenas) também marcaram 4 golos como suplentes utilizados.

Guarda-redes menos batido

(entre os jogadores que completaram mais de metade da época: 16 jogos)

Antonis Nikopolidis (Olympiakos), 0,39 golos sofridos por jogo.

Guarda-redes com mais «balizas-virgens»

Antonis Nikopolidis (Olympiakos), 17 em 28 jogos e Kostas Chalkis (PAOK), 17 em 29 jogos.

Guarda-redes com melhor percentagem de «balizas-virgens»

(entre os jogadores que completaram mais de metade da época: 16 jogos)

Antonis Nikopolidis (Olympiakos), 63% (17 em 28 jogos).

Guarda-redes que mais minutos esteve sem sofrer golos

Antonis Nikopolidis (Olympiakos), 518 minutos, numa série iniciada na 7ª jornada e que se prolongou até à 12ª jornada.

Treinadores

Dois treinadores portugueses orientaram clubes da Liga grega em 2008/09: Fernando Santos realizou uma temporada muito boa no PAOK: segundo, com bastante surpresa, na fase regular, ao conseguir superiorizar-se a Panathinaïkos e AEK Atenas, acabaria a temporada em 4º, após a disputa do Playoff, onde a equipa de Salónica não conseguiu resistir ao maior poderio dos rivais. Ainda assim, o PAOK garantiu a presença na 3ª pré-eliminatória da edição 2009/10 da Liga Europa. Já a experiência de Carlos Carvalhal, que realizou a sua estreia como técnico fora de Portugal, foi mais curta: as expectativas elevadas em relação à temporada do Asteras Tripolis fizeram com que só aguentasse as primeiras 9 jornadas – em que apenas venceu 1 jogo – no comando técnico do clube. O seu sucessor, o grego Nikos Kostenoglou, acabou por garantir uma melhor média pontual (1,2 pontos por jogo) em relação ao técnico português (0,889 pontos por jogo).

Os números dos treinadores portugueses na Liga grega 2008/09: Fernando Santos (PAOK, 30 jogos, 18 vitórias, 9 empates, 3 derrotas, 2,1 de média de pontos por jogo + 6 jogos, 2 vitórias, 0 empates, 4 derrotas, 1 de média de pontos por jogo no Playoff); Carlos Carvalhal (Asteras Tripolis, 9 jogos, 1 vitória, 5 empates, 3 derrotas, 0,889 de média de pontos por jogo).

 

Taça

2-5-2009
AEK Atenas, 4 (Ismael Blanco, 4. e 8., Ignácio Scocco, 90. e 107.)
Olympiakos, 4 (Matt Derbyshire, 47. e 90+6., Dudu Cearense, 72., Luciano Galletti, 102.)

[após prolongamento, 3-3 no final do tempo regulamentar]

O Olympiakos venceu a Taça, após o desempate por pontapés da marca de grande penalidade, depois de um histórico 15-14.

 

Supertaça

A competição, que regressara em 2007, depois de uma longa paragem de onze anos, voltou a não realizar-se.

 

OLYMPIAKOS: O CAMPEÃO

 
Estatísticas

Nac. Pos. Nome J G A V Min.
GRE D Paraskevas ANTZAS 18 0 1 0 1.575
ARG MA Fernando BELLUSCHI 25 5 3 0 1.772
ENG A Matt DERBYSHIRE 7 5 1 0 345
BRA A DIOGO Luís Santo 26 6 7 0 2.099
SRB M Predrag DJORDJEVIC 24 2 2 0 1.059
FRA D Didier DOMI 16 0 5 0 1.306
BRA M DUDU CEARENSE 26 3 4 0 2.241
GRE D Giorgos GALITSIOS 6 0 2 0 382
ARG MA Luciano GALLETTI 27 14 4 0 1.952
SVK G Pavol KOVÁC 3 0 0 0 225
SRB A Darko KOVACEVIC 14 4 0 0 672
BRA D LEONARDO Jesus Geraldo 8 0 0 0 575
ARG MA Sebastián LETO 24 1 6 0 1.538
GRE M Konstantinos MENDRINOS 14 0 1 1 633
GRE A Costas MITROGLOU 7 2 1 0 293
GRE M Georgios NIKLITSIOTIS 1 0 0 0 51
GRE G Antonis NIKOPOLIDIS 28 0 2 0 2.475
ESP M ÓSCAR González 20 3 2 0 904
GRE D Tassos PANTOS 21 0 6 0 1.392
GRE D Avraam PAPADOPOULOS 22 0 8 0 1.979
GRE M Giannis PAPADOPOULOS 9 0 3 0 533
GRE D Kyriakos PAPADOPOULOS 3 0 0 0 181
GRE M Christos PATSATZOGLOU 19 1 3 1 1.505
ESP D RAÚL BRAVO Sanfelix 6 0 1 0 487
GRE M Aristidis SOILEDIS 1 0 0 0 30
GRE M Ieroklis STOLTIDIS 5 0 0 0 326
GRE DM Vassilis TOROSIDIS 19 2 8 0 1.483
POL D Michal ZEWLAKOW 20 0 0 0 1.613

 
A Táctica

Olympiakos: táctica

 

Treinador Campeão

Ernesto Valverde
foto © sport24.gr

ERNESTO VALVERDE

Contratado no início da época pelo Olympiakos, na sequência dos bons trabalhados realizados no Athletic e no Espanyol, que conduziu à final da Taça UEFA em 2006/07, Ernesto Valverde, também conhecido por «Formiga», conquistou os seus primeiros títulos como técnico, juntando a vitória na Liga ao triunfo na Taça. Adepto de um esquema entre o 4x2x3x1 e o 4x4x1x1, recorreu, em algumas situações, ao 4x4x2 clássico – juntando Kovacevic, na primeira fase da época, e Derbyshire, na segunda metade da temporada, a Diogo –, conseguindo aliar rigor táctico e consistência defensiva a um futebol muito agradável, mais ofensivo nos desafios caseiros do que extramuros. Com a cotação em alta regressa na nova época a Espanha, onde o espera o Villarreal, pós-Pellegrini.

 

Equipas-Tipo

[accordion title=”PANATHINAÏKOS“]

Panathinaïkos[/accordion]

[accordion title=”AEK ATENAS“]

AEK Atenas[/accordion]

[accordion title=”PAOK“]

PAOK[/accordion]

[accordion title=”LARISSA“]

Larissa[/accordion]

[accordion title=”ARIS“]

Aris[/accordion]

[accordion title=”SKODA XANTHI“]

Skoda Xanthi[/accordion]

[accordion title=”PANIONIOS“]

Panionios[/accordion]

[accordion title=”ERGOTELIS“]

Ergotelis[/accordion]

[accordion title=”IRAKLIS“]

Iraklis[/accordion]

[accordion title=”PANTHRAKIKOS“]

Panthrakikos[/accordion]

[accordion title=”ASTERAS TRIPOLIS“]

Asteras Tripolis[/accordion]

[accordion title=”LEVADIAKOS“]

Levadiakos[/accordion]

[accordion title=”OFI“]

OFI[/accordion]

[accordion title=”PANSERRAÏKOS“]

Panserraïkos[/accordion]

[accordion title=”THRASYVOULOS FYLIS“]

Thrasyvoulos Fylis[/accordion]

 

O «ONZE» DO ANO

Grécia 2008/09: onze do ano

 

Figuras da Época

Antonis Nikopolidis
foto © Reuters

Antonis Nikopolidis (Olympiakos)

Vassilis Torosidis
foto © neoskosmos.com

Vassilis Torosidis (Olympiakos)

Marcelão
foto © asterastripolis.gr

Marcelão (Asteras Tripolis)

Pablo Contreras
foto © paok24.com

Pablo Contreras (PAOK)

Nikos Spiropoulos
foto © newstime.gr

Nikos Spiropoulos (Panathinaïkos)

Dudu Cearense
foto © enet.gr

Dudu Cearense (Olympiakos)

Georgios Fotakis
foto © sportaction.gr

Georgios Fotakis (Larissa)

Luciano Galletti
foto © enet.gr

Luciano Galletti (Olympiakos)

Fernando Belluschi
foto © google.gr

Fernando Belluschi (Olympiakos)

Ignacio Scocco
foto © prasinanea.gr

Ignacio Scocco (AEK Atenas)

Ismael Blanco
foto © imode.gr

Ismael Blanco (AEK Atenas)

 
foto de abertura © Getty Images


Rui Malheiro

 
analista de futebol, scout e autor. freelancer. escreveu Anuário do Futebol 2008/09 e Anuário do Futebol 2009/10.