Malta 2008/09

Hibernians
Hibernians

Balanço

A

pós sete anos de jejum, o Hibernians voltou a sagrar-se campeão maltês, depois de um campeonato carregado de emoção que prolongou a decisão do título até à última jornada. Aí, Hibernians e Valletta, ex-campeão, digladiaram-se pela conquista da Liga num duelo dramático, que manteve a decisão do campeonato em aberto até ao último segundo. O nulo final espelhou o equilíbrio que dominou a temporada, mas foi suficiente para os «Pavões» assegurarem o 10º título do seu historial, já que partiram para a ronda final com uma vantagem de dois pontos sobre o rival. Um desfecho justo, na medida em que o Hibernians, liderado tecnicamente pelo inglês Mark Miller, esteve na dianteira da Liga em 25 das 28 jornadas da prova, tirando partido do elevado poderio ofensivo revelado ao longo da época, permitindo-lhe totalizar 73 golos marcados, mais 23 do que o Valletta, que se destacou pela consistência defensiva. O ex-campeão acabou por sair da temporada como grande derrotado, já que para além de ter falhado a revalidação do título perdeu a final da Taça, de forma surpreendente, diante do Sliema Wanderers, num jogo que se decidiu por pontapés da marca de grande penalidade.

 

Classificação:

Fase Regular

  1.Hibernians               18 13  2  3 49-19 41
  2.Valletta                 18 11  7  0 31-11 40
  3.Birkirkara               18  9  5  4 31-28 32
  4.Sliema Wanderers         18  7  5  6 24-24 26
  5.Floriana                 18  6  4  8 18-21 22
  6.Marsaxlokk               18  6  4  8 28-33 22
 - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
  7.Msida St. Joseph         18  6  3  9 20-28 21
  8.Ħamrun Spartans          18  5  2 11 24-37 17
  9.Qormi                    18  3  6  9 16-26 15
 10.Tarxien Rainbows         18  4  2 12 22-36 14

Notas:
– O Campeonato de Malta, em 2008/09, foi disputado em duas fases: depois de disputada a fase regular da prova, com 10 clubes, a duas voltas, os clubes disputaram a fase final da competição, para a qual partiram com metade dos pontos conquistados na primeira fase, tendo sido divididos em dois grupos – o grupo do título, com os seis primeiros classificados da fase regular, para definir, num mini-campeonato a duas voltas, qual o campeão; e o grupo da manutenção, com os quatro últimos classificados da fase regular, para definir, num mini-campeonato a duas voltas, os dois clubes que permanecem na divisão maior e os dois que descem à 2ªDivisão.

 
Fase Final

 
Título

 1.Hibernians               28 19  5  4 73-25 42  Campeão; Liga Campeões (1ªPré) 
 2.Valletta                 28 17  9  2 50-18 40  Liga Europa (1ª Pré)
 3.Birkirkara               28 12  7  9 43-45 27  Liga Europa (1ª Pré) 
 4.Marsaxlokk               28 10  6 12 46-52 25  [*]
 5.Sliema Wanderers         28 10  8 10 33-41 25  Liga Europa (2ª Pré)
 6.Floriana                 28  7  6 15 25-44 16  

 
Manutenção

 7.Qormi                    24  7  6 11 30-31 20  
------------------------------------------------
 8.Msida St. Joseph         24  7  5 12 25-40 16  Playoff [*]
 9.Tarxien Rainbows         24  6  5 13 32-44 16  Playoff
------------------------------------------------
10.Ħamrun Spartans          24  7  3 14 31-48 16  Despromovido [*]

 
Notas:

– Como Msida St. Joseph, Tarxien Rainbows e Ħamrun Spartans terminaram a época com o mesmo número de pontos (16), o critério de desempate foi o número de pontos obtidos pelos clubes nos jogos entre eles:

 8.Msida St. Joseph          8  4  2  2 10- 8 14  
 9.Tarxien Rainbows          8  2  4  2 13- 8 10  
------------------------------------------------
10.Ħamrun Spartans           8  2  2  4  9-16  8  

Ficou, então, definido, que o clube com menos pontos no campeonato a três (Ħamrun Spartans) desceria automaticamente à 2ªDivisão, enquanto que os dois clubes mais pontuados disputariam um Playoff a uma mão para definir qual o segundo clube despromovido.

 

Playoff

Msida St. Joseph – Tarxien Rainbows, 1-1 [após prolongamento]

O Tarxien Rainbows venceu 5-4 no desempate por pontapés da marca de grande penalidade.

– O Tarxien Rainbows assegurou a manutenção na 1ªDivisão.
– O Msida St. Joseph desceu à 2ªDivisão.

 

Quem Subiu:

Dingli Swallows, Vittoriosa Stars [*]

 

[*] Notas (Alteração do Quadro Competitivo para 2009)

– O início da época 2009/10 ficou marcado pela intervenção de um Conselho de Investigação de Práticas de Corrupção, que penalizou os clubes Marsaxlokk, 4º classificado em 2008/09, e Vittoriosa Stars, emblema promovido ao escalão principal, com a descida de divisão, devido a práticas ilícitas.

– De forma a não deixar a Liga reduzida a 8 clubes, a Federação Maltesa de Futebol convidou o Msida St. Joseph e Ħamrun Spartans, os dois emblemas despromovidos à 2ªDivisão, a ocuparem as vagas em aberto.

 

Melhores Marcadores

Terence SCERRI (Hibernians), 26
DANIEL Mariano BUENO (Tarxien Rainbows), 23
Julio César ALCORSÉ (Marsaxlokk), 17
NJONGO PRISO Doding (Valletta), 15
Pedro dos Santos Calçado «PEDRINHO» (Msida St. Joseph), 13
Alfred EFFIONG (Qormi), 12
MARCELO PEREIRA (Marsaxlokk), 11
Andrew COHEN (Hibernians), 9
Ivan WOODS (Sliema Wanderers), 9
Dyson FALZON (Valletta), 9
Sylvano COMVALIUS (Hamrun Spartans), 9
Ryan DARMANIN (Floriana), 8
Jean MIFSUD TRIGANZA (Birkirkara), 8
Orosco ANONAM (Floriana), 7
Michael GALEA (Birkirkara), 7
Clayton FAILLA (Hibernians), 7
Gilbert AGIUS (Valletta), 7

 

Treinador Campeão

Mark Miller
foto © Domenic Aquilina

MARK MILLER (HIBERNIANS)

Treinador inglês, com largo trajecto no futebol maltês, fez parte, ainda como jogador, da equipa do Rabat Ajax que foi goleada pelo FC Porto em 1986/87, no início da trajectória dos «dragões» rumo ao seu primeiro título europeu. Aos 47 anos, e depois de um trabalho muito elogiado na Selecção sub-21 de Malta, Miller, um adepto do 4x3x3 e do futebol ofensivo, abraçou o projecto do Hibernians, conduzindo os «Pavões» ao 10º título do seu palmarés.

 

Estrela da Época

Clayton Failla
foto © www.bov.com

CLAYTON FAILLA (HIBERNIANS)

 

Dados Relevantes

O Campeão

10º título da história do Hibernians, clube que já não vencia a competição desde 2001/02.

Clubes com mais títulos

Sliema Wanderers (26), Floriana (25), Valletta (19), Hibernians (10) e Hamrun Spartans (7).

Média de golos

2,9 golos por jogo. Representou um decréscimo de 0,3 em relação à temporada anterior (média de 3,2 golos por jogo).

Jogo com mais golos

Tarxien Rainbows – Hibernians (2-7).

Maior goleada

Birkirkara – Hibernians (0-6).

Portugueses

Promessa eternamente adiada do futebol português, Zeferino destacou-se como goleador nas camadas jovens do FC Porto, de onde saltou, aos 16 anos, para o Real Madrid, clube que o apresentou como grande promessa do futebol mundial. Contudo, nunca viria a conseguir impor-se, iniciando um trajecto tergiversante, com várias passagens pelas divisões inferiores do futebol espanhol, pelo Médio Oriente e pelo futebol americano, para além de um regresso a Portugal, onde representou o Alverca, entre 2000 e 2004. Depois de não ter convencido o Boavista a contratá-lo no último defeso, reapareceu em Malta, aos 30 anos, no início de 2009, ajudando o Hibernians, com 6 golos em 9 jogos, a sagrar-se campeão maltês.

O melhor marcador

Terence Scerri (Hibernians)
26 golos em 26 jogos
12 golos apontados em casa e 14 em jogos extramuros
7 golos obtidos na primeira parte e 19 na segunda parte
Marcou golos em 16 partidas: dez golos foram «solitários», aos quais juntou quatro «duplas», uma «tripla» e uma «quíntupla», obtida, à 17ª jornada, na deslocação ao terreno do Tarxien Rainbows.

 

Taça

29-5-2009
Valletta, 3 (Njongo Priso Doding, 49., Gilbert Aguis, 90., Omar Sebastián Monesterolo, 90.)
Sliema Wanders, 3 (Alex Muscat, 52. e 65, Ivan Woods, 80.)

O Sliema Wanders venceu a Taça de Malta no desempate por pontapés de marca de grande penalidade (7-6).

 

Supertaça

9-8-2008
Valletta, 2 (Jamie Pace, 30., Stefan Giglio, 81.)
Birkirkara, 0

 
foto de abertura © Domenic Aquilina


Rui Malheiro

 
analista de futebol, scout e autor. freelancer. escreveu Anuário do Futebol 2008/09 e Anuário do Futebol 2009/10.