Portugal 2008/09: Liga

FC Porto
FC Porto

Balanço

T

ricampeão de forma consecutiva, o FC Porto partia para a nova temporada como principal favorito à conquista do título, ainda que as saídas de Quaresma, Paulo Assunção e Bosingwa, três titulares indiscutíveis, obrigassem Jesualdo Ferreira a um trabalho aturado de reconstrução de todos os sectores. O Sporting, vice-campeão nos três exercícios anteriores, ao mostrar-se capaz de assegurar a continuidade da sua estrutura titular e de acrescentar qualidade com as aquisições cirúrgicas de Caneira, Rochemback e Postiga, e um reavivado Benfica, em virtude da aposta num novo director desportivo – Rui Costa -, num novo treinador – Quique Sánchez Flores – e numa série de reforços de qualidade, entre os quais se destacavam Aimar, Reyes e Suazo, pareciam, à partida, melhor apetrechados no ataque à nova época, o que deixava antever um campeonato muito mais equilibrado do que o anterior. Um mau arranque do FC Porto, bem visível nos 10 pontos perdidos nas primeiras 7 jornadas, reforçou essa ideia e fez aumentar as esperanças dos «rivais», independentemente de alguns percalços, num exercício de sucesso. Contudo, seria o surpreendente e espectacular Leixões, liderado tecnicamente por José Mota e com o brasileiro Wesley em plano de grande evidência, a concluir o primeiro terço da competição na dianteira da competição, graças a 7 vitórias e 2 empates nas primeiras 10 jornadas. Só que um triunfo portista em Kiev, numa decisiva deslocação ao terreno do Dinamo, na sequência de três derrotas consecutivas em jogos oficiais que deixaram Jesualdo Ferreira muito pressionado, alterou a face da temporada do FC Porto: uma série de 6 vitórias e 2 empates, entre as jornadas 8 e 15, permitiu aos «dragões» isolarem-se na liderança da Liga na última ronda da primeira volta, posição que não largariam até ao final da competição. Uma segunda metade de campeonato espectacular, bem expressa em 12 vitórias e 3 empates, garantiu o 24º título do FC Porto, o seu 17º nos últimos 25 anos, confirmado definitivamente a duas jornadas do fim, graças a um triunfo caseiro diante do Nacional (1-0). Jesualdo Ferreira, primeiro treinador português a sagrar-se tricampeão nacional de forma consecutiva, sairia da temporada como grande triunfador, ao assumir, ao contrário do que acontecera nos dois exercícios anteriores, a edificação de uma equipa, apreendendo, de forma lúcida e ardilosa, as suas carências e problemas, factor decisivo para garantir o seu crescimento gradual, indissociável do amadurecimento de jogadores como Rolando, Fernando, Cristián Rodríguez ou Hulk, aos quais se juntaria Cissokho, o principal reforço de Inverno dos «dragões», os grandes frutos do trabalho de construção do técnico dos «azuis e brancos». Ao segundo «tetra» do seu historial, o FC Porto associaria o triunfo na Taça de Portugal a chegada aos quartos de final da Liga dos Campeões, onde o Manchester United, então campeão em título, travou, com um golo espectacular de Cristiano Ronaldo, a melhor campanha portista desde o título europeu de 2003/04. O Sporting, que começou a temporada a conquistar a Supertaça, assegurou, pela quarta temporada consecutiva, o vice-campeonato, tirando partido de uma segunda volta em claro crescendo, ao conquistar 35 dos últimos 39 pontos em disputa, o que lhe permitiu terminar a Liga a quatro pontos do campeão FC Porto. Capaz de ultrapassar a humilhante eliminação da Liga dos Campeões aos pés do Bayern de Munique (1-12, na soma das duas eliminatórias), depois de alcançar o objectivo de atingir os oitavos de final da principal competição da UEFA, o Sporting terminou a temporada como equipa com mais pontos conquistados nos jogos em casa, mas pagaria demasiado caro a perda de 11 pontos entre as jornadas 4 e 8. Já o Benfica, que tanto prometera nos primeiros meses do exercício, concluiu a época no 3º posto, a 11 pontos do FC Porto e a 7 do Sporting. A derrota na deslocação ao terreno do Trofense, na 13ª jornada, numa altura em que usufruía da liderança da Liga, marcaria definitivamente a inversão da temporada dos «encarnados», que, precocemente eliminados da Taça UEFA e da Taça de Portugal, se foram afastando gradualmente dos dois primeiros lugares da classificação. O triunfo na Taça da Liga diante do Sporting, numa final marcada por uma arbitragem polémica de Lucílio Baptista, impediu o Benfica de sair de «bolsos vazios» de 2008/09, mas não apagou uma época frustrante, face à qualidade do plantel e ao investimento realizado no seu reforço, provando as fragilidades do técnico espanhol Quique Sánchez Flores, preso, durante todo o exercício, a um estático e previsível 4x4x2, como também a algumas opções dúbias, que procurou rectificar apenas nas derradeiras jornadas da Liga. O Nacional, capaz de igualar, graças a um trabalho extraordinário de Manuel Machado, a melhor classificação da história do clube, onde Nénê, principal «artilheiro» do campeonato, assumiu o papel de maior destaque; o Sporting de Braga, protagonista de uma muito boa campanha internacional, marcada pela chegada aos oitavos de final da Taça UEFA e pela conquista da Taça Intertoto, que, no entanto, acabou por prejudicar a sua trajectória interna, onde a formação orientada por Jorge Jesus se destacou pelo excelente futebol praticado e pela capacidade para assumir as partidas em qualquer campo; e o Paços de Ferreira, finalista vencido da Taça de Portugal, ocuparam as restantes vagas europeias. Fora destas contas ficou o Leixões, protagonista de uma primeira metade de campeonato sensacional, mas que pagou uma factura elevada, principalmente no último terço da Liga, pela saída da «estrela» Wesley e pela quebra de forma de algumas das suas principais unidades.

 

Classificação:

 1.FC Porto         		30  21  7  2  61-18  70  Campeão
 2.Sporting                  	30  20  6  4  45-20  66  
 3.Benfica                   	30  17  8  5  54-32  59  
 4.Nacional                  	30  15  7  8  47-32  52  
 5.Sporting Braga            	30  13 11  6  38-21  50
 6.Leixões                   	30  12  9  9  30-31  45  
 7.Académica         		30  10  9 11  28-32  39
 8.Vitória Guimarães          	30  10  8 12  32-36  38  
 9.Marítimo                  	30   9 10 11  35-36  37  
10.Paços de Ferreira          	30   9  7 14  37-42  34       
11.Estrela Amadora            	30   8 10 12  26-38  31 [-3] Despromovido
12.Rio Ave                   	30   8  6 16  20-35  30  
13.Naval                      	30   7  8 15  25-39  29  
14.Vitória Setúbal            	30   7  5 18  21-46  26  
------------------------------------------------------
15.Belenenses           	30   5  9 16  28-52  24  Despromovido
16.Trofense                  	30   5  8 17  25-42  23  Despromovido

 
Notas:
– O Estrela da Amadora foi penalizado pela Liga Portuguesa de Futebol Profissional, a 20 de Maio de 2009, com a perda de três pontos, na sequência de incumprimentos de ordem financeira.
– A Liga Portuguesa de Futebol Profissional rejeitou, em Junho de 2009, a inscrição do Estrela da Amadora nas competições profissionais em 2009/10, em virtude da incapacidade do clube em preencher os requisitos financeiros necessários, o que motivou a sua despromoção à 2ªDivisão.
– O Belenenses, despromovido, no fim da Liga 2008/09, à Liga de Honra, foi convidado a preencher a vaga deixada em aberto pela descida administrativa do Estrela da Amadora.

 

Resultados

Portugal 2008/09: resultados

 

Quem Subiu:

Olhanense e União de Leiria.

 

Melhores Marcadores

Anderson da Silva «NÉNÊ» (Nacional), 20
ÓSCAR CARDOZO (Benfica), 17
LIEDSON da Silva Muniz (Sporting), 17
Ernesto FARÍAS (FC Porto), 10
Papa Babacar «BABA» DIAWARA (Marítimo), 10
LISANDRO LÓPEZ (FC Porto), 10
WILLIAM Arthur dos Santos (Paços Ferreira) 9
Luis «LUCHO» GONZÁLEZ (FC Porto), 9
Albert MEYONG Ze (Sporting Braga), 8
Givanildo Vieira de Souza «HULK» (FC Porto), 8
ROBERTO Calmon Félix (Vitória Guimarães), 8
WÉSLEY Lopes da Silva (Leixões), 7
NUNO Ribeiro «GOMES» (Benfica), 7
Vanderlei Fernandes da Silva «DERLEI» (Sporting), 7
CRISTIANO Moraes de Oliveira (Paços Ferreira), 7
NUNO ASSIS Almeida (Vitória Guimarães), 7
PAULO CÉSAR Rocha Rosa (Sporting Braga), 6
SAULO Rodrigues dos Santos (Belenenses), 6
DJALMA CAMPOS (Marítimo), 6
Cláudio Zélito Aguiar «LITO» (Académica), 6
Marcelo Oliveira da Silva «MARCELINHO» (Naval), 6
CRISTIÁN RODRÍGUEZ (FC Porto), 6
Wason RENTERÍA (Sporting Braga), 6
Márcio da Silva «MARCINHO» (Marítimo), 6
HÉLDER POSTIGA (Sporting), 5
Wenderson Arruda Said «WENDER» (Belenenses), 5
ANSELMO Gonçalves Cardoso (Estrela Amadora), 5
MATEUS Galiano da Costa (Nacional), 5
BRUNO BRAGA (Leixões), 5
Mário Rui Tomás «MARINHO» (Naval), 5
SILVESTRE VARELA (Estrela Amadora), 5
JOSÉ PEDRO Salazar (Belenenses), 5
VALDOMIRO Duarte de Macedo (Trofense), 5
BRUNO ALVES (FC Porto), 5

 

Os 20 golos de Nénê, o melhor marcador da Liga 2008/09

GOLO JORNADA ADVERSÁRIO LOCAL MIN. TIPO DE JOGADA ZONA DE FINALIZAÇÃO PÉ-CABEÇA ASSISTÊNCIA
1 3 Vitória Guimarães F 27. Ataque organizado Grande área – lado direito Pé direito Alonso
2 4 Estrela Amadora C 90. Ataque organizado Pequena área Cabeça Patacas
3 5 Académica F 23. Ataque rápido Fora da área Pé direito Mateus
4 6 Vitória Setúbal C 77. Bola parada – Grande penalidade Grande área – zona frontal Pé direito
5 7 Marítimo F 81. Ataque organizado Grande área – zona frontal Cabeça Patacas
6 11 Belenenses C 22. Sequência de lance de bola parada Grande área – zona frontal Cabeça Juninho
7 11 Belenenses C 37. Ataque rápido Grande área – lado direito Pé direito Miguel Fidalgo
8 14 Paços Ferreira F 15. Ataque organizado Grande área – zona frontal Cabeça Alonso
9 14 Paços Ferreira F 37. Ataque rápido Grande área – lado direito Pé direito Rúben Micael
10 15 Sporting C 8. Ataque rápido Fora da área Pé direito Maicon
11 17 Naval F 14. Jogada individual Grande área – lado esquerdo Pé esquerdo
12 17 Naval F 27. Ataque organizado Grande área – lado direito Cabeça Alonso
13 18 Vitória Guimarães C 61. Ataque organizado Pequena área Pé esquerdo
14 18 Vitória Guimarães C 63. Ataque rápido Grande área – lado direito Pé direito Rúben Micael
15 20 Académica C 31. Ataque organizado Grande área – zona frontal Cabeça Alonso
16 24 Trofense F 12. Ataque rápido Grande área – lado esquerdo Pé direito Leandro Salino
17 24 Trofense F 33. Ataque rápido Pequena área Pé esquerdo Patacas
18 25 Sp. Braga C 61. Bola parada – Livre directo Fora da área Pé direito
19 27 Benfica C 55. Ataque rápido Grande área – zona frontal Cabeça Alonso
20 30 Sporting F 12. Bola parada – Livre directo Fora da área Pé direito

 
Detalhes:

– 28 jogos pelo Nacional na Liga 2008/09. 14 vitórias, 7 empates e 7 derrotas.
– 20 golos – 10 golos solitários e 5 «bis» – marcou golos em 15 dos 28 jogos que realizou.
– 10 golos apontados em partidas em casa; 10 golos apontados em jogos extramuros.
– 13 golos apontados na primeira parte dos jogos; 7 golos apontados na segunda parte dos jogos.
– 5 jogos consecutivos a marcar, entre a 3ª e a 7ª jornada, foi a sua melhor série no decurso da temporada.
– A sua pior série foi de 3 jogos consecutivos sem marcar: aconteceu em duas ocasiões, entre as jornadas 8 e 10 e entre as jornadas 21 e 23.
– O Vitória Guimarães, a quem apontou 3 golos, foi a sua principal «vítima».
– Nos 15 jogos em que Nénê marcou golos, o Nacional venceu 9, empatou 3 e perdeu 3.
– 10 golos de pé direito, 7 golos de cabeça e 3 golos de pé esquerdo.
– 13 golos dentro da grande área – 6 em zona frontal, 5 sobre o lado direito e 2 sobre o lado esquerdo -, 4 golos de fora da área e 3 golos da pequena área.
– 8 golos na sequência de lances de ataque rápido; 7 golos na sequência de lances de ataque organizado; 3 golos na execução de lances de bola parada – 2 de livre directo e 1 de grande penalidade -; 1 golo após jogada individual; 1 golo na sequência de um lance de bola parada.
– Alonso, com 5 passes decisivos, foi o jogador que mais vezes assistiu Nénê para golo.

 

Dados Relevantes

O Campeão

24º título do FC Porto, clube que somou o seu 17º campeonato nos últimos 25 anos. Com este triunfo, o FC Porto sagrou-se, pela segunda vez no seu historial, tetracampeão português de forma consecutiva.

Dados Gerais

Mais Vitórias: FC Porto, 21
Mais Empates: Sp. Braga, 11
Mais Derrotas: Vitória Setúbal, 18
Menos Vitórias: Belenenses e Trofense, 5
Menos Empates: Vitória Setúbal, 5
Menos Derrotas: FC Porto, 2
Mais Golos Marcados: FC Porto, 61
Mais Golos Sofridos: Belenenses, 52
Menos Golos Marcados: Rio Ave, 20
Menos Golos Sofridos: FC Porto, 18

Jogos em Casa

Mais Vitórias: Sporting, 11
Mais Empates: Leixões, 6
Mais Derrotas: Vitória Setúbal, 9
Menos Vitórias: Trofense, 3
Menos Empates: Vitória Setúbal, 0
Menos Derrotas: FC Porto, 1
Mais Golos Marcados: Sporting, 29
Mais Golos Sofridos: Belenenses, 25
Menos Golos Marcados: Vitória Setúbal, 12
Menos Golos Sofridos: FC Porto, 7

Jogos Fora

Mais Vitórias: FC Porto, 12
Mais Empates: Sp. Braga, 8
Mais Derrotas: Rio Ave, 11
Menos Vitórias: Estrela Amadora, Belenenses e Vitória Setúbal, 1
Menos Empates: FC Porto, Nacional e Rio Ave, 2
Menos Derrotas: FC Porto e Sporting, 1
Mais Golos Marcados: FC Porto, 38
Mais Golos Sofridos: Belenenses, 27
Menos Golos Marcados: Rio Ave, 4
Menos Golos Sofridos: Sporting, 7

 

JOGADORES

Totalistas

– Beto (Leixões), 30 jogos, 2700 minutos
– Bruno Alves (FC Porto), 30 jogos, 2700 minutos
– João Guilherme (Marítimo), 30 jogos, 2700 minutos
– Júlio César (Belenenses), 30 jogos, 2700 minutos
– Paulão (Naval), 30 jogos, 2700 minutos
– Rafael Bracalli (Nacional), 30 jogos, 2700 minutos

– Márcio Paiva (Rio Ave), Eduardo e Alan (Sp. Braga), Janício (Vitória Setúbal) e Marinho (Naval) também foram utilizados nas 30 partidas, mas não completaram os 2700 minutos de competição.

Melhor média de pontos por jogo

(apenas jogadores com mais de metade dos jogos realizados – 15 jogos ou mais)

1. Freddy Guarín (FC Porto), 2,733 (15 jogos)
2. Marco Caneira (Sporting), 2,476 (21 jogos)
3. Hélton (FC Porto), 2,462 (26 jogos)
4. Mariano González (FC Porto), 2,458 (24 jogos)
5. Tomás Costa (FC Porto), 2,455 (22 jogos)
6. Jorge Fucile (FC Porto), 2,412 (17 jogos)
7. Jorge Ribeiro (Benfica), 2,400 (15 jogos)
8. Ernesto Farías (FC Porto), 2,350 (20 jogos)
9. Bruno Alves (FC Porto), 2,333 (30 jogos)
10. Bruno Pereirinha (Sporting), 2,320 (25 jogos)
Fernando (FC Porto), 2,320 (25 jogos)
12. Cristián Rodríguez (FC Porto), 2,310 (29 jogos)
13. Cristian Sapunaru (FC Porto), 2,294 (17 jogos)
14. Lisandro López (FC Porto), 2,286 (28 jogos)
Raúl Meireles (FC Porto), 2,286 (28 jogos)
Rolando (FC Porto), 2,286 (28 jogos)
17. Miguel Veloso (Sporting), 2,238 (21 jogos)
18. Lucho González (FC Porto), 2,217 (23 jogos)
19. Anderson Polga (Sporting), 2,214 (28 jogos)
20. Hulk (FC Porto), 2,200 (25 jogos)

Mais vitórias

1. Bruno Alves (FC Porto), 21 (30 jogos)
2. Cristián Rodríguez (FC Porto), 20 (29 jogos)
3. Hélton (FC Porto), 19 (26 jogos)
4. Anderson Polga (Sporting), Lisandro López, Raúl Meireles e Rolando (FC Porto), 19 (28 jogos)
8. Mariano González (FC Porto), 18 (24 jogos)
9. Bruno Pereirinha (Sporting), 18 (25 jogos)
10. Tomás Costa (FC Porto), 17 (22 jogos)
11. Fernando (FC Porto), 17 (25 jogos)
12. Liedson e Rui Patrício (ambos do Sporting), 17 (26 jogos)
14. João Moutinho (Sporting), 17 (27 jogos)
15. Marco Caneira (Sporting), 16 (21 jogos)
16. Hulk (FC Porto), 16 (25 jogos)
17. Maxi Pereira (Benfica), 16 (28 jogos)
18. Miguel Veloso (Sporting), 15 (21 jogos)
19. Lucho González (FC Porto) e Derlei (Sporting), 15 (23 jogos)

Mais empates

1. Luis Aguiar e Rentería (ambos do Sp. Braga), 11 (28 jogos)
3. Alan e Eduardo (ambos do Sp. Braga), 11 (30 jogos)
5. Paulo César (Sp. Braga), 10 (19 jogos)
6. Bruno (Marítimo), 10 (26 jogos)
7. Márcio Mossoró (Sp. Braga) e Nélson (Estrela Amadora), 10 (27 jogos)
9. Marcos Oliveira (Marítimo), Nuno André Coelho e Silvestre Varela (ambos do Estrela Amadora), 10 (28 jogos)
12. Evaldo (Sp. Braga) e Fernando Alexandre (Estrela Amadora), 10 (29 jogos)
14. João Guilherme (Marítimo), 10 (30 jogos)
15. Rui Varela (Estrela Amadora), 9 (21 jogos)
16. Vandinho (Sp. Braga), 9 (23 jogos)
17. Anselmo e Jardel (Estrela Amadora) e Miguelito (Marítimo), 9 (24 jogos)
20. Baba Diawara e Manú (Marítimo), Marcelo Goianira (Estrela Amadora) e William Tiero (Académica), 9 (25 jogos)

Mais derrotas

1. Bruno Gama (Vitória Setúbal), 18 (29 jogos)
2. Janício (Vitória Setúbal), 18 (30 jogos)
3. Ricardo Chaves e Robson (Vitória Setúbal), 17 (29 jogos)
5. Mércio (Trofense), 16 (25 jogos)
6. Evandro (Rio Ave), 16 (27 jogos)
7. José Pedro (Belenenses), 16 (28 jogos)
8. Gaspar (Rio Ave), 16 (29 jogos)
9. Júlio César (Belenenses) e Márcio Paiva (Rio Ave), 16 (30 jogos)
11. Leandro Lima (Vitória Setúbal), 15 (24 jogos)
12. Laionel (Vitória Setúbal), 15 (25 jogos)
13. Hélder Barbosa e Valdomiro (ambos do Trofense), 15 (28 jogos)
15. Silas (Belenenses), 15 (29 jogos)
16. Marinho e Paulão (Naval), 15 (30 jogos)
18. Delson (Rio Ave), 14 (23 jogos)
19. Elias (Vitória Setúbal), 14 (24 jogos)
20. Chidi (Rio Ave) e Pedrinha (Paços Ferreira), 14 (25 jogos)

Menos vitórias

(apenas jogadores com mais de metade dos jogos realizados – 15 jogos ou mais)

1. Carciano (Belenenses), 2 (19 jogos)
2. Zamorano (Trofense), 2 (16 jogos)
3. Fernando Ávalos (Belenenses) e Saulo (Belenenses/Naval), 2 (15 jogos)
5. José Pedro (Belenenses), 3 (28 jogos)
6. Hugo Leal e Reguila (Trofense) e Leandro Carrijo (Vitória Setúbal), 3 (21 jogos)
9. Cândido Costa (Belenenses) e Tarantini (Rio Ave), 3 (20 jogos)
11. Chumbinho (Leixões) e Paulinho (Trofense), 3 (19 jogos)
13. Paulo Lopes (Trofense), 3 (18 jogos)
14. David Caiado (Trofense), Diakité e Marcelo Faria (Belenenses), 3 (17 jogos)
17. Edu Souza (Trofense), 3 (15 jogos)
18. Evandro Roncatto, Vinícius Pacheco e Wender (Belenenses), 4 (22 jogos)

Menos derrotas

(apenas jogadores com mais de metade dos jogos realizados – 15 jogos ou mais)

1. Hélton (FC Porto), 0 (26 jogos)
2. Jorge Fucile (FC Porto), 0 (17 jogos)
3. Freddy Guarín (FC Porto), 0 (15 jogos)
4. Fernando (FC Porto), 1 (25 jogos)
5. Mariano González (FC Porto), 1 (24 jogos)
6. Marco Caneira (Sporting), 1 (21 jogos)
7. Ernesto Farías (FC Porto), 1 (20 jogos)
8. Jorge Ribeiro (Benfica), 1 (15 jogos)
9. Bruno Alves (FC Porto), 2 (30 jogos)
10. Cristián Rodríguez (FC Porto), 2 (29 jogos)
11. Lisandro López, Raúl Meireles e Rolando (todos do FC Porto), 2 (28 jogos)
14. Hulk (FC Porto), 2 (25 jogos)
15. Lucho González (FC Porto), 2 (23 jogos)
16. Tomás Costa (FC Porto), Daniel Carriço e Marat Izmailov (Sporting), 2 (22 jogos)
19. Paulo César (Sp. Braga), 2 (19 jogos)
20. André Leone (Sp. Braga) e Cristian Sapunaru (FC Porto), 2 (17 jogos)

 

GOLOS

Golos apontados em 2008/09

552. Foi marcado menos 1 golo do que no exercício anterior.

Média de Golos em 2008/09

2,3 por jogo. A mesma média do exercício anterior (2,3 golos por jogo).

Jornada com mais golos em 2008/09

11ª jornada. 25 golos (3,13 golos por jogo).

Jornada com menos golos em 2008/09

12ª jornada. 10 golos (1,25 golos por jogo).

Média de Golos na Liga portuguesa por época

ÉPOCA CLUBES MÉDIA GOLOS
2008/09 16 2,3
2007/08 16 2,3
2006/07 16 2,31
2005/06 18 2,23
2004/05 18 2,32
2003/04 18 2,38
2002/03 18 2,63
2001/02 18 2,67
2000/01 18 2,64
1999/00 18 2,42
1998/99 18 2,65
1997/98 18 2,52
1996/97 18 2,48
1995/96 18 2,6
1994/95 18 2,39
1993/94 18 2,45
1992/93 18 2,34
1991/92 18 2,26
1990/91 20 2,3
1989/90 18 2,18
1988/89 20 2,08
1987/88 20 2,27
1986/87 16 2,43
1985/86 16 2,36
1984/85 16 2,79
1983/84 16 2,5
1982/83 16 2,38
1981/82 16 2,35
1980/81 16 2,33
1979/80 16 2,5
1978/79 16 2,61
1977/78 16 2,44
1976/77 16 2,57
1975/76 16 2,84
1974/75 16 2,93
1973/74 16 2,88
1972/73 16 2,88
1971/72 16 2,66
1970/71 14 2,34
1969/70 14 2,86
1968/69 14 2,56
1967/68 14 2,88
1966/67 14 2,64
1965/66 14 3,37
1964/65 14 3,37
1963/64 14 3,35
1962/63 14 3,27
1961/62 14 3,39
1960/61 14 3,27
1959/60 14 3,35
1958/59 14 3,8
1957/58 14 3,48
1956/57 14 3,74
1955/56 14 3,7
1954/55 14 3,52
1953/54 14 3,75
1952/53 14 3,42
1951/52 14 3,88
1950/51 14 4,02
1949/50 14 4,25
1948/49 14 4,09
1947/48 14 4,57
1946/47 14 5,13
1945/46 12 4,83
1944/45 10 5,51
1943/44 10 5,07
1942/43 10 5,99
1941/42 12 5,27
1940/41 8 5,21
1939/40 10 4,79
1938/39 8 4,88
1937/38 8 4,41
1936/37 8 4,73
1935/36 8 4,29
1934/35 8 4,61

Mais eficazes

(apenas jogadores com mais de metade dos jogos realizados – 15 jogos ou mais)

1. Ernesto Farías (FC Porto) – 10 golos em 20 jogos – 1 golo a cada 91 minutos
2. Óscar Cardozo (Benfica) – 17 golos em 26 jogos – 1 golo a cada 111 minutos
3. Nénê (Nacional) – 20 golos em 28 jogos – 1 golo a cada 125 minutos
4. Liedson (Sporting) – 17 golos em 26 jogos – 1 golo a cada 128 minutos
5. Paulo César (Sp. Braga) – 6 golos em 19 jogos – 1 golo a cada 141 minutos
6. Saulo (Belenenses/Naval) – 6 golos em 15 jogos – 1 golo a cada 156 minutos
7. Meyong (Sp. Braga) – 8 golos em 18 jogos – 1 golo a cada 160 minutos
8. Nuno Gomes (Benfica) – 7 golos em 24 jogos – 1 golo a cada 170 minutos
9. Baba Diawara (Marítimo) – 10 golos em 25 jogos – 1 golo a cada 171 minutos
10. Carlos Saleiro (Académica/Vitória Setúbal) – 4 golos em 18 jogos – 1 golo a cada 204 minutos.

«Jokers»

1. Nuno Gomes (Benfica) – 4 golos em 12 jogos como suplente utilizado
2. William Arthur (Paços Ferreira) – 3 golos em 3 jogos como suplente utilizado
3. Wender (Belenenses) – 3 golos em 5 jogos como suplente utilizado
4. Óscar Cardozo e Pedro Mantorras (Benfica), Marcelo Faria (Belenenses), Saulo (Belenenses/Naval) e Baba Diawara (Marítimo) – 2 golos em 5 jogos como suplente utilizado.

Grandes Penalidades

1. Lucho González (FC Porto), 6 golos em 7 tentativas
2. Bruno (Marítimo) e Óscar Cardozo (Benfica), 4 golos em 4 tentativas
4. Luis Aguiar (Sp. Braga), 3 golos em 3 tentativas
5. José Antonio Reyes (Benfica), José Pedro (Belenenses), Leandro Romagnoli (Sporting), Auri (Vitória Setúbal) e William Arthur (Paços Ferreira), 2 golos em 2 tentativas
10. Pinheiro (Trofense), 2 golos em 3 tentativas.

«Bis»

1. Nénê (Nacional), 5
2. Liedson (Sporting) e Óscar Cardozo (Benfica), 4
4. Ernesto Farías (FC Porto), 3
5. Lisandro López (FC Porto), Bruno Braga (Leixões) e Nuno Gomes (Benfica), 2.

«Triplas»

1. Baba Diawara (Marítimo) e Nuno Assis (Vitória Guimarães), 1

Baba Diawara obteve a «tripla» na recepção ao Vitória Setúbal (5-1, 20ª jornada); Nuno Assis obteve a «tripla» na deslocação ao terreno do Vitória Setúbal (4-2, 16ª jornada).

«Quádruplas»

Não se registou nenhuma «quádrupla».

Séries goleadoras

1. Nénê (Nacional), 5 golos em 5 jornadas consecutivas, entre a jornada 3 e a jornada 7.

Goleadores em Jogos em Casa

1. Liedson (Sporting) e Nénê (Nacional), 10 golos
3. Óscar Cardozo (Benfica), 8 golos
4. Baba Diawara (Marítimo) e Ernesto Farías (FC Porto), 6 golos
6. Derlei (Sporting), Saulo (Belenenses), Meyong (Sp. Braga) e Wesley (Leixões), 5 golos
10. Silveste Varela (Estrela Amadora), William Arthur e Cristiano (Paços Ferreira), Marcelinho (Naval), Mateus (Nacional), Lisandro López e Lucho González (FC Porto), Roberto (Vitória Guimarães), Diogo Valente (Leixões), 4 golos.

Goleadores em Jogos Fora

1. Nénê (Nacional), 10 golos
2. Óscar Cardozo (Benfica), 9 golos
3. Liedson (Sporting), 7 golos
4. Nuno Gomes (Benfica), Lisandro López e Hulk (FC Porto), 6 golos
7. Cristián Rodríguez e Lucho González (FC Porto), Nuno Assis (Vitória Guimarães), William Arthur (Paços Ferreira), 5 golos
11. Roberto (Vitória Guimarães), Rentería e Paulo César (Sp. Braga), Ernesto Farías (FC Porto) e Baba Diawara (Marítimo), 4 golos.

Assistências para golo

1. Alonso (Nacional), 11 assistências
2. José Antonio Reyes (Benfica), Hulk, Mariano González e Raúl Meireles (FC Porto), 7 assistências
6. Lisandro López (FC Porto), Marcinho (Marítimo), Antonielton Ferreira (Paços Ferreira) e João Moutinho (Sporting), 6 assistências
10. Sougou (Académica), Pablo Aimar (Benfica), Alan (Sp. Braga), Silveste Varela (Estrela Amadora), Diogo Valente (Leixões), Mateus (Nacional) e Liedson (Sporting), 5 assistências.

Auto-golos

1. Fernando Alexandre (Estrela Amadora), 2
2. Hugo Gomes (Estrela Amadora), Robson (Vitória Setúbal), Elvis (Leixões), José Pedro (Belenenses), Orlando (Académica), Frechaut (Sp. Braga), 1.

Golos por Período

1ª parte 246 2ª parte 306
0-15 68 46-60 76
16-30 83 61-75 111
31-45 95 76-90 119

Equipas mais fortes por período

1ª parte Sporting, 28 golos marcados
Sporting e FC Porto, 9 golos sofridos
2ª parte FC Porto, 39 golos marcados
FC Porto, 9 golos sofridos
0-15 Sporting, 12 golos marcados
Rio Ave, 1 golo sofrido
46-60 Sp. Braga e FC Porto, 10 golos marcados
Marítimo, Leixões e Trofense, 2 golos sofridos
16-30 Sporting e FC Porto, 11 golos marcados
Sporting, 1 golo sofrido
61-75 FC Porto, 16 golos marcados
Sp. Braga e FC Porto, 2 golos sofridos
31-45 Benfica, 11 golos marcados
FC Porto, 3 golos sofridos
76-90 FC Porto, 13 golos marcados
Sp. Braga, Sporting e FC Porto, 4 golos sofridos

Equipas mais frágeis por período

1ª parte Vitória Setúbal, 10 golos marcados
Trofense, 25 golos sofridos
2ª parte Rio Ave, 9 golos marcados
Belenenses, 29 golos sofridos
0-15 Leixões e Rio Ave, 1 golo marcado
Paços Ferreira, 12 golos sofridos
46-60 Estrela Amadora, Naval, Rio Ave e Vitória Setúbal, 2 golos marcados
Estrela Amadora, 9 golos sofridos
16-30 Vitória Setúbal, 1 golos marcado
Trofense, 14 golos sofridos
61-75 Belenenses, 1 golo marcado
Belenenses e Rio Ave, 11 golos sofridos
31-45 Naval, 1 golo marcado
Belenenses, 9 golos sofridos
76-90 Rio Ave, 1 golos marcado
Belenenses, 11 golos sofridos

Tipo de Golos

Bola corrida 344 (62,32%) Bola parada 208 (37,68%)
Golos com o pé 409 (74,09%) Golos de cabeça 135 (24,46%)
Outros 0 Auto-golos 8 (1,45%)
Equipa com mais golos marcados na sequência de lances de bola parada FC Porto, 22
Jogador com mais golos marcados na sequência de lances de bola parada Óscar Cardozo (Benfica), 7
Equipa com mais golos sofridos na sequência de lances de bola parada Leixões, 22
Equipa com menos golos marcados na sequência de lances de bola parada Marítimo, Vitória Guimarães e Naval, 8
Equipa com menos golos sofridos na sequência de lances de bola parada Sp. Braga, 5
Equipa com mais golos marcados de livre directo FC Porto, 3
Jogador com mais golos marcados de livre directo Nénê (Nacional) e Bruno Alves (FC Porto), 2
Equipa com mais golos sofridos de livre directo Leixões, 4
Equipa com menos golos marcados de livre directo Benfica, Sp. Braga, Académica, Vitória Guimarães, Marítimo, Paços Ferreira e Naval, 0
Equipa com menos golos sofridos de livre directo FC Porto, Benfica, Nacional, Académica, Vitória Guimarães, Marítimo, Paços Ferreira, Naval, Vitória Setúbal, 0
Equipa com mais golos marcados na sequência de livres indirectos Benfica, 9
Jogador com mais golos marcados na sequência de livres indirectos Cristiano (Paços Ferreira), 3
Equipa com mais golos sofridos na sequência de livres indirectos Belenenses e Trofense, 6
Equipa com menos golos marcados na sequência de livres indirectos Vitória Setúbal e Rio Ave, 1
Equipa com menos golos sofridos na sequência de livres indirectos Sporting e Sp. Braga, 1
Equipa com mais golos marcados na sequência de pontapés de canto Paços Ferreira, 8
Jogador com mais golos marcados na sequência de pontapés de canto Bruno China (Leixões), 3
Equipa com mais golos sofridos na sequência de pontapés de canto Benfica, 7
Equipa com menos golos marcados na sequência de pontapés de canto Belenenses, 1
Equipa com menos golos sofridos na sequência de pontapés de canto Sp. Braga, 0
Equipa com mais golos marcados de grande penalidade FC Porto, 8
Equipa com mais golos sofridos de grande penalidade Leixões, 7
Equipa com menos golos marcados de grande penalidade Académica, Vitória Guimarães e Rio Ave, 1
Equipa com menos golos sofridos de grande penalidade Naval, 0
Equipa que beneficiou de mais grandes penalidades FC Porto, 9
Equipa que sofreu mais grandes penalidades Leixões, 8
Equipa que beneficiou de menos grandes penalidades Académica, Vitória Guimarães e Rio Ave, 1
Equipa que sofreu menos grandes penalidades Naval, 0
Equipa com mais golos marcados de cabeça Benfica, 16
Jogador com mais golos marcados de cabeça Nénê (Nacional), 7
Equipa com menos golos marcados de cabeça Naval, Marítimo e Paços Ferreira, 4
Equipa que beneficiou de mais auto-golos Vitória Guimarães, 2
Equipa que sofreu mais auto-golos Estrela Amadora, 3

Guarda-redes menos batido

(apenas jogadores com mais de metade dos jogos realizados – 15 jogos ou mais)

1. Hélton (FC Porto), 0,46 golos sofridos por jogo – 12 golos sofridos em 26 jogos.
2. Rui Patrício (Sporting), 0,62 golos sofridos por jogo – 16 golos sofridos em 26 jogos.
3. Eduardo (Sp. Braga), 0,70 golos sofridos por jogo – 21 golos sofridos em 30 jogos.
4. Marcos Oliveira (Marítimo), 0,93 golos sofridos por jogo – 26 golos sofridos em 28 jogos.
5. Beto (Leixões), 1,03 golos sofridos por jogo – 31 golos sofridos em 30 jogos.
6. Nilson (Vitória Guimarães), 1,04 golos sofridos por jogo – 25 golos sofridos em 24 jogos.
7. Rafael Bracalli (Nacional), 1,07 golos sofridos por jogo – 32 golos sofridos em 30 jogos.
8. Boris Peskovic (Académica), 1,11 golos sofridos por jogo – 31 golos sofridos em 28 jogos.
9. Nélson (Estrela Amadora), 1,11 golos sofridos por jogo – 30 golos sofridos em 27 jogos.
10. Márcio Paiva (Rio Ave), 1,17 golos sofridos por jogo – 35 golos sofridos em 30 jogos.

Guarda-redes com mais «balizas-virgens»

1. Hélton (FC Porto), 16 «balizas-virgens» em 26 jogos.
2. Eduardo (Sp. Braga), 15 «balizas-virgens» em 30 jogos.
3. Rui Patrício (Sporting), 14 «balizas-virgens» em 26 jogos.
4. Beto (Leixões), 12 «balizas-virgens» em 30 jogos.
5. Nélson (Estrela Amadora), 10 «balizas-virgens» em 27 jogos.
6. Marcos Oliveira (Marítimo), 10 «balizas-virgens» em 28 jogos.
7. Rafael Bracalli (Nacional), 10 «balizas-virgens» em 30 jogos.
8. Boris Peskovic (Académica), 9 «balizas-virgens» em 28 jogos.
9. Cássio (Paços Ferreira), 8 «balizas-virgens» em 23 jogos.
10. Nilson (Vitória Guimarães), 8 «balizas-virgens» em 24 jogos.

Guarda-redes com melhor percentagem de «balizas-virgens»

(apenas jogadores com mais de metade dos jogos realizados – 15 jogos ou mais)

1. Hélton (FC Porto), 61,5% – 16 «balizas-virgens» em 26 jogos.
2. Rui Patrício (Sporting), 53,8% – 14 «balizas-virgens» em 26 jogos.
3. Eduardo (Sp. Braga), 51,7% – 15 «balizas-virgens» em 30 jogos.
4. Beto (Leixões), 40,0% – 12 «balizas-virgens» em 30 jogos.
5. Paulo Lopes (Trofense), 38,9% – 7 «balizas-virgens» em 18 jogos.
6. Nélson (Estrela Amadora), 38,5% – 10 «balizas-virgens» em 27 jogos.
7. Marcos Oliveira (Marítimo), 37,0% – 10 «balizas-virgens» em 28 jogos.
8. Cássio (Paços Ferreira), 34,8% – 8 «balizas-virgens» em 23 jogos.
9. Nilson (Vitória Guimarães), 33,3% – 8 «balizas-virgens» em 24 jogos.
Rafael Bracalli (Nacional), 33,3% – 10 «balizas-virgens» em 30 jogos.

Guarda-redes que defenderam mais grandes penalidades

1. Eduardo (Sp. Braga), 4 defesas em 6 grandes penalidades.
2. Rui Patrício (Sporting), 2 defesas em 3 grandes penalidades.
3. Cássio (Paços Ferreira) e Boris Peskovic (Académica), 1 defesa em 3 grandes penalidades.
5. Nélson (Estrela Amadora), 1 defesa em 4 grandes penalidades.
6. Rafael Bracalli (Nacional), 1 defesa em 6 grandes penalidades.
7. Beto (Leixões), 1 defesa em 8 grandes penalidades.

Guarda-redes (minutos consecutivos sem sofrer golos)

1. Eduardo (Sp. Braga) – 627 minutos sem sofrer golos
2. Beto (Leixões) – 576 minutos sem sofrer golos
3. Hélton (FC Porto) – 575 minutos sem sofrer golos
4. Marcos Oliveira (Marítimo) – 420 minutos sem sofrer golos
5. Marcos Oliveira (Marítimo) – 418 minutos sem sofrer golos
6. Márcio Paiva (Rio Ave) – 377 minutos sem sofrer golos
7. Rui Patrício (Sporting) – 363 minutos sem sofrer golos.

 

TREINADORES

«Chicotadas»

Equipa Quem Saiu Data da Saída Quem Entrou Data da Entrada
Trofense António da Conceição «Toni» 22.09.2008 Manuel Cruz «Tulipa» 25.09.2008
Belenenses Casemiro Mior 06.10.2008 Jaime Pacheco 09.10.2008
Estrela Amadora Lito Vidigal 11.11.2008 Lázaro Oliveira 11.11.2008
Rio Ave João Eusébio 05.01.2009 Carlos Brito 06.01.2009
Vitória Setúbal Daúto Faquirá 14.01.2009 Carlos Cardoso 15.01.2009
Marítimo Lori Sandri 23.02.2009 Carlos Carvalhal 24.02.2009
Belenenses Jaime Pacheco 11.05.2009 Rui Jorge 12.05.2009

Melhor média de pontos por jogo

(apenas treinadores com mais de um terço dos jogos realizados – 10 jogos ou mais)

1. Jesualdo Ferreira (FC Porto), 2,333 (30 jogos)
2. Paulo Bento (Sporting), 2,200 (30 jogos)
3. Quique Sánchez Flores (Benfica), 1,967 (30 jogos)
4. Manuel Machado (Nacional), 1,733 (30 jogos)
5. Jorge Jesus (Sp. Braga), 1,667 (30 jogos)
6. Lori Sandri (Marítimo), 1,526 (19 jogos)
7. José Mota (Leixões), 1,500 (30 jogos)
8. Domingos Paciência (Académica), 1,300 (30 jogos)
9. Manuel Cajuda (Vitória Guimarães), 1,267 (30 jogos)
10. Carlos Brito (Rio Ave), 1,176 (17 jogos)

Pior média de pontos por jogo

(apenas treinadores com mais de um terço dos jogos realizados – 10 jogos ou mais)

1. Carlos Carvalhal (Marítimo), 0,727 (11 jogos)
2. João Eusébio (Rio Ave), 0,769 (13 jogos)
3. Jaime Pacheco (Belenenses), 0,826 (23 jogos)

 

RESULTADOS

Séries

Vitórias Consecutivas: FC Porto, 9 vitórias consecutivas
Jogos sem perder: FC Porto, 23 jogos sem perder
Jogos sem sofrer golos: Leixões e Sp. Braga, 6 jogos sem sofrer golos
Derrotas Consecutivas: Marítimo, Rio Ave e Trofense, 5 derrotas consecutivas
Jogos sem vencer: Marítimo, 10 jogos sem vencer
Jogos sem marcar golos: Vitória Setúbal, 5 jogos sem marcar golos.

Séries em Casa

Vitórias Consecutivas: Sporting, 7 vitórias consecutivas
Jogos sem perder: FC Porto, 12 jogos sem perder
Jogos sem sofrer golos: FC Porto e Sp. Braga, 5 jogos sem sofrer golos
Derrotas Consecutivas: Vitória Setúbal, 4 derrotas consecutivas
Jogos sem vencer: Trofense, 6 jogos sem vencer
Jogos sem marcar golos: Vitória Setúbal, 3 jogos sem marcar golos.

Séries Fora de Casa

Vitórias Consecutivas: FC Porto, 11 vitórias consecutivas
Jogos sem perder: Sporting, 13 jogos sem perder
Jogos sem sofrer golos: Marítimo, 5 jogos sem sofrer golos
Derrotas Consecutivas: Rio Ave, 8 derrotas consecutivas
Jogos sem vencer: Estrela Amadora, 13 jogos sem vencer
Jogos sem marcar golos: Rio Ave, 5 jogos sem marcar golos.

Mais Comuns

1-0: 56 vezes
2-0: 35 vezes
2-1: 34 vezes
1-1: 27 vezes
0-0: 27 vezes
3-1: 18 vezes
2-2: 10 vezes
3-2: 9 vezes

Vitórias em casa (107 – 44,58% dos jogos)

1-0: 38 vezes
2-0: 24 vezes
2-1: 20 vezes
3-1: 11 vezes
3-2: 6 vezes
3-0: 2 vezes
4-2: 2 vezes
5-0: 1 vez
5-1: 1 vez
4-0: 1 vez
4-1: 1 vez

Vitórias fora de casa (69 – 28,75% dos jogos)

0-1: 18 vezes
1-2: 14 vezes
0-2: 11 vezes
1-3: 7 vezes
0-3: 5 vezes
2-4: 4 vezes
2-3: 3 vezes
1-4: 2 vezes
0-4: 2 vezes
3-4: 1 vez
0-5: 1 vez
0-6: 1 vez

Empates (64 – 26,67% dos jogos)

1-1: 27 vezes
0-0: 27 vezes
2-2: 10 vezes

Número de Golos por jogo

2 golos: 62 jogos
1 golo: 56 jogos
3 golos: 41 jogos
4 golos: 31 jogos
0 golos: 27 jogos
5 golos: 14 jogos
6 golos: 8 jogos
7 golos: 1 jogo

Maior Goleada

Marítimo – Benfica, 0-6.

Jogos com mais golos

Paços Ferreira – Benfica, 3-4.

Golo mais rápido

Baba Diawara (Marítimo), no Marítimo – Nacional, da 7ª jornada. Golo no 1º minuto de jogo.

 

IDADE

Equipa mais velha

Trofense – 30,0 (diante do Sporting, fora de casa, na 1ª jornada)

– Trofense, com 4 equipas no «top 10», Rio Ave, com 3 equipas no «top 10» e 5 no «top 20», e Paços de Ferreira, com 2 equipas no «top 10» e 9 no «top 20», foram as equipas com média de idade mais elevada na Liga.

Equipa mais nova

Sporting – 24,0 (diante do Vitória Guimarães, em casa, na 10ª jornada)

– Nacional com 6 equipas no «top 10» e 11 no «top 20» foi, claramente, a equipa com média de idade mais baixa na Liga.

Jogadores mais idosos

1. Pedro Roma (Académica) – 38 anos, 9 meses e 4 dias – diante da Naval (29ª jornada).
2. Niquinha (Rio Ave) – 37 anos, 7 meses e 24 dias – diante do Estrela Amadora (30ª jornada)
3. Vidigal (Estrela Amadora) – 36 anos, 1 mês e 20 dias – diante do Leixões (27ª jornada).

Jogadores mais jovens

1. Pelé (Belenenses) – 17 anos, 3 meses e 13 dias – diante do Rio Ave (14ª jornada).
2. Renato Neto (Sporting) – 17 anos, 7 meses e 28 dias – diante do Nacional (30ª jornada).
3. André Almeida (Belenenses) – 18 anos, 2 meses e 20 dias – diante do Marítimo (10ª jornada).

Golo «mais velho»

Niquinha (Rio Ave) – 37 anos e 27 dias – diante do Marítimo (6ª jornada).

Golo «mais jovem»

Jonathan Urretavizcaya (Benfica) – 19 anos, 1 mês e 30 dias – diante do Sp. Braga (29ª jornada).

 

NACIONALIDADES

Percentagem de utilização de jogadores portugueses

43,0%. Representou um acréscimo de 1% em relação ao exercício anterior (42,0%).

Percentagem de golos de jogadores portugueses

30,5%. Representou um decréscimo de 1,8% em relação ao exercício anterior (32,3%).

Maior percentagem de utilização de jogadores portugueses

Estrela Amadora e Rio Ave – 67,5%

Menor percentagem de utilização de jogadores portugueses

Nacional e FC Porto – 25,0%

Maior percentagem de goleadores portugueses

Rio Ave – 75,0%

Menor percentagem de goleadores portugueses

Sp. Braga – 13,5%

43,0% dos jogadores utilizados são portugueses; seguem-se brasileiros (35,0%), argentinos (3,6%), franceses (3,0%), uruguaios e cabo-verdianos (2,1%), angolanos (1,6%), senegaleses e colombianos (0,9%), argelinos (0,7%), camaroneses e paraguaios (0,5%).

30,5% dos golos são apontados por jogadores portugueses, marca superada pelos jogadores brasileiros, que são responsáveis por 39,9% dos golos apontados na Liga; seguem-se argentinos (7,2%), paraguaios (3,3%), senegaleses (2,8%), uruguaios e angolanos (2,6%), cabo-verdianos (2,0%), camaroneses (1,5%), franceses e colombianos (1,3%), espanhóis, hondurenhos e montenegrinos (0,7%).

 

(IN)DISCIPLINA

Equipa mais disciplinada

Naval, 59 amarelos – 1 vermelho.

Equipa mais indisciplinada

Belenenses, 100 amarelos – 4 vermelhos.

Jogador mais indisciplinado

Derlei (Sporting) – 10 amarelos, 1 vermelho por acumulação e 1 vermelho directo em 23 jogos.

Jogador com mais cartões amarelos

Mércio (Trofense) e Patacas (Nacional) – 11 amarelos.

Jogador com mais cartões vermelhos

Alonso (Nacional), Olberdam (Marítimo), Derlei e Daniel Carriço (Sporting) e Sougou (Académica) – 2 expulsões.

 

OS ÁRBITROS DA LIGA

Nome Associação J A AV V GP
André Gralha Santarém 3 11 0 0 0
António Augusto Costa Aveiro 3 5 0 0 0
Artur Soares Dias Porto 14 70 4 3 6
Bruno Esteves Setúbal 3 12 1 0 0
Bruno Paixão Setúbal 10 58 1 2 2
Carlos Xistra Castelo Branco 15 75 1 2 9
Cosme Machado Braga 11 66 1 1 1
Duarte Gomes Lisboa 12 63 1 1 2
Elmano Santos Madeira 9 51 4 1 3
Hugo Miguel Lisboa 10 39 0 1 6
João Capela Lisboa 11 52 2 0 3
João Ferreira Setúbal 8 25 1 0 2
Jorge Sousa Porto 17 96 5 3 4
Lucílio Baptista Setúbal 12 62 2 2 3
Luís Reforço Setúbal 8 43 2 1 1
Marco Ferreira Madeira 7 40 3 0 1
Nuno Campos Setúbal 1 1 0 0 0
Nuno Miguel Roque Coimbra 3 16 0 0 1
Olegário Benquerença Leiria 17 84 4 0 2
Paulo Baptista Portalegre 11 58 1 1 5
Paulo Costa Porto 11 51 1 4 1
Pedro Henriques Lisboa 8 30 1 1 1
Pedro Proença Lisboa 15 86 2 1 4
Rui Costa Porto 11 50 1 1 2
Vasco Santos Porto 10 36 1 0 0

Nota: Uma lesão de João Ferreira, durante os exercícios de aquecimento anteriores à realização do Trofense-Sporting, partida da 16ª jornada da Liga 2008/09, obrigou à sua substituição por Nuno Campos, árbitro de segunda categoria que estava inicialmente designado para quatro árbitro.

 

CLASSIFICAÇÕES ALTERNATIVAS

Jogos em Casa

1. Sporting, 34
2. FC Porto, 32
3. Benfica, 31
4. Nacional, 29
5. Académica, 29
6. Sp. Braga, 27
7. Paços Ferreira, 25
8. Estrela Amadora, 25
9. Marítimo, 23
10. Rio Ave, 22
11. Leixões, 21
12. Naval, 20
13. Vitória Guimarães, 19
14. Vitória Setúbal, 18
15. Belenenses, 16
16. Trofense, 14

Jogos Fora de Casa

1. FC Porto, 38
2. Sporting, 32
3. Benfica, 28
4. Leixões, 24
5. Sp. Braga, 23
6. Nacional, 23
7. Vitória Guimarães, 19
8. Marítimo, 14
9. Académica, 10
10. Paços Ferreira, 9
11. Estrela Amadora, 9
12. Naval, 9
13. Trofense, 9
14. Belenenses, 8
15. Vitória Setúbal, 8
16. Rio Ave, 8

Primeiras Partes

1. Sporting, 57
2. FC Porto, 56
3. Benfica, 54
4. Nacional, 43
5. Estrela Amadora, 41
6. Rio Ave, 38
7. Sp. Braga, 38
8. Vitória Guimarães, 37
9. Académica, 36
10. Leixões, 35
11. Naval, 34
12. Vitória Setúbal, 31
13. Marítimo, 30
14. Paços Ferreira, 28
15. Belenenses, 26
16. Trofense, 25

Segundas Partes

1. FC Porto, 67
2. Sp. Braga, 50
3. Sporting, 46
4. Nacional, 46
5. Leixões, 44
6. Marítimo, 44
7. Paços Ferreira, 43
8. Benfica, 43
9. Trofense, 40
10. Vitória Guimarães, 37
11. Académica, 36
12. Vitória Setúbal, 31
13. Naval, 28
14. Estrela Amadora, 26
15. Belenenses, 23
16. Rio Ave, 20

1ª Volta

1. FC Porto, 31
2. Benfica, 30
3. Sporting, 30
4. Leixões, 27
5. Nacional, 25
6. Sp. Braga, 23
7. Marítimo, 23
8. Estrela Amadora, 19
9. Naval, 19
10. Vitória Guimarães, 18
11. Académica, 17
12. Paços Ferreira, 15
13. Belenenses, 14
14. Trofense, 12
15. Vitória Setúbal, 12
16. Rio Ave, 10

2ª Volta

1. FC Porto, 39
2. Sporting, 36
3. Benfica, 29
4. Sp. Braga, 27
5. Nacional, 27
6. Académica, 22
7. Rio Ave, 20
8. Vitória Guimarães, 20
9. Paços Ferreira, 19
10. Leixões, 18
11. Estrela Amadora, 15
12. Marítimo, 14
13. Vitória Setúbal, 14
14. Trofense, 11
15. Naval, 10
16. Belenenses, 10

 

PÚBLICO NOS ESTÁDIOS DA LIGA

Pos. Clube Total J. Média Máx. Min.
1 FC Porto 581.443 15 38.763 50.309 28.408
2 Benfica 535.480 15 35.699 60.022 20.187
3 Sporting 397.756 15 26.517 44.863 18.011
4 Vitória Guimarães 248.684 15 16.579 26.810 7.210
5 Sp. Braga 158.278 15 10.552 20.321 6.041
6 Académica 89.619 15 5.975 18.980 2.734
7 Belenenses 76.097 15 5.073 9.635 1.532
8 Marítimo 74.110 15 4.941 8.234 2.007
9 Leixões 62.647 15 4.176 8.884 2.277
10 Vitória Setúbal 57.509 15 3.834 14.827 912
11 Trofense 53.084 15 3.539 4.977 1.876
12 Rio Ave 49.668 15 3.311 10.426 937
13 Naval 31.775 15 2.118 8.214 703
14 Nacional 30.606 15 2.040 4.175 718
15 Paços Ferreira 27.689 15 1.846 3.784 955
16 Estrela Amadora 19.213 15 1.281 4.252 222

Número de Espectadores em 2008/09: 2.493.658 espectadores
Jogo com maior assistência: Benfica – Sporting, 60.022 espectadores
Jogo com menor assistência: Estrela Amadora – Paços Ferreira, 222 espectadores
Jornada com maior assistência: 22ª (131.573 espectadores)
Jornada com menor assistência: 13ª (30.275 espectadores)
Equipa com maior assistência (30 jogos): FC Porto, 770.773 espectadores
Equipa com menor assistência (30 jogos): Rio Ave, 168.409 espectadores
Equipa com maior assistência nos jogos como visitante: Benfica, 220.874 espectadores
Equipa com menor assistência nos jogos como visitante: Rio Ave, 118.741 espectadores

 

O «ONZE» DO ANO

Portugal 2008/09: onze do ano

 

Figuras da Época

Hélton
foto © Reuters

Hélton

Maxi Pereira
foto © Getty Images

Maxi Pereira

Rolando
foto © Reuters

Rolando

Bruno Alves
foto © Reuters

Bruno Alves

Evaldo
foto © record.pt

Evaldo

Fernando
foto © rr.pt

Fernando

Alan
foto © Lusa

Alan

João Moutinho
foto © Reuters

João Moutinho

Raúl Meireles
foto © Getty Images

Raúl Meireles

Nénê
foto © google.pt

Nénê

Liedson
foto © Reuters

Liedson

 

1ª DIVISÃO – TODOS OS CAMPEÕES

1934/35  FC Porto   
1935/36  SL Benfica
1936/37  SL Benfica
1937/38  SL Benfica
1938/39  FC Porto             
1939/40  FC Porto             
1940/41  Sporting CP          
1941/42  SL Benfica           
1942/43  SL Benfica           
1943/44  Sporting CP          
1944/45  SL Benfica           
1945/46  CF Os Belenenses   
1946/47  Sporting CP          
1947/48  Sporting CP          
1948/49  Sporting CP          
1949/50  SL Benfica           
1950/51  Sporting CP          
1951/52  Sporting CP          
1952/53  Sporting CP          
1953/54  Sporting CP          
1954/55  SL Benfica           
1955/56  FC Porto             
1956/57  SL Benfica           
1957/58  Sporting CP          
1958/59  FC Porto             
1959/60  SL Benfica           
1960/61  SL Benfica           
1961/62  Sporting CP          
1962/63  SL Benfica           
1963/64  SL Benfica           
1964/65  SL Benfica           
1965/66  Sporting CP          
1966/67  SL Benfica           
1967/68  SL Benfica            
1968/69  SL Benfica           
1969/70  Sporting CP          
1970/71  SL Benfica           
1971/72  SL Benfica           
1972/73  SL Benfica           
1973/74  Sporting CP          
1974/75  SL Benfica           
1975/76  SL Benfica           
1976/77  SL Benfica           
1977/78  FC Porto             
1978/79  FC Porto             
1979/80  Sporting CP          
1980/81  SL Benfica           
1981/82  Sporting CP          
1982/83  SL Benfica           
1983/84  SL Benfica           
1984/85  FC Porto             
1985/86  FC Porto             
1986/87  SL Benfica           
1987/88  FC Porto             
1988/89  SL Benfica           
1989/90  FC Porto             
1990/91  SL Benfica           
1991/92  FC Porto             
1992/93  FC Porto             
1993/94  SL Benfica           
1994/95  FC Porto             
1995/96  FC Porto             
1996/97  FC Porto             
1997/98  FC Porto             
1998/99  FC Porto             
1999/00  Sporting CP          
2000/01  Boavista FC          
2001/02  Sporting CP          
2002/03  FC Porto             
2003/04  FC Porto             
2004/05  SL Benfica           
2005/06  FC Porto             
2006/07  FC Porto             
2007/08  FC Porto             
2008/09  FC Porto

 

1ª DIVISÃO – TÍTULOS POR CLUBE

31 SL Benfica         
24 FC Porto           
18 Sporting CP     
 1 CF Os Belenenses, Boavista FC

 

1ª DIVISÃO – HISTÓRICO DOS MELHORES MARCADORES

1934/35 Manuel Soeiro (Sporting CP) - 14 golos / 14 jornadas
1935/36 Artur de Sousa «Pinga» (FC Porto) - 21 golos / 14 jornadas
1936/37 Manuel Soeiro (Sporting CP) - 24 golos / 14 jornadas
1937/38 Fernando Peyroteo (Sporting CP) - 34 golos / 14 jornadas
1938/39 José Monteiro «Costuras» (FC Porto) - 18 golos / 14 jornadas
1939/40 Fernando Peyroteo (Sporting CP) - 29 golos / 18 jornadas
        Slavkoo Kordnya (FC Porto) - 29 golos / 18 jornadas
1940/41 Fernando Peyroteo (Sporting CP) - 29 golos / 14 jornadas
1941/42 Correia Dias (FC Porto) - 36 golos / 22 jornadas
1942/43 Júlio Silva «Julinho» (SL Benfica) - 24 golos / 18 jornadas
1943/44 Francisco Rodrigues (Vitória FC Setúbal) - 28 golos / 18 jornadas
1944/45 Francisco Rodrigues (Vitória FC Setúbal) - 21 golos / 18 jornadas
1945/46 Fernando Peyroteo (Sporting CP) - 37 golos / 22 jornadas
1946/47 Fernando Peyroteo (Sporting CP) - 43 golos / 26 jornadas
1947/48 António Araújo (FC Porto) - 36 golos / 26 jornadas
1948/49 Fernando Peyroteo (Sporting CP) - 40 golos / 26 jornadas
1949/50 Júlio Silva «Julinho» (SL Benfica) - 28 golos / 26 jornadas
1950/51 Manuel Vasques (Sporting CP) - 29 golos / 26 jornadas
1951/52 José Águas (SL Benfica) - 28 golos / 26 jornadas
1952/53 Lucas Fonseca «Matateu» (CF Os Belenenses) - 29 golos / 26 jornadas
1953/54 João Martins (Sporting CP) - 31 golos / 26 jornadas
1954/55 Lucas Fonseca «Matateu» (CF Os Belenenses) - 32 golos / 26 jornadas
1955/56 José Águas (SL Benfica) - 28 golos / 26 jornadas
1956/57 José Águas (SL Benfica) - 30 golos / 26 jornadas
1957/58 Arsénio Duarte (GD CUF Barreiro) - 23 golos / 26 jornadas
1958/59 José Águas (SL Benfica) - 26 golos / 26 jornadas
1959/60 Edmur Ribeiro (Vitória SC Guimarães) - 25 golos / 26 jornadas  
1960/61 José Águas (SL Benfica) - 27 golos / 26 jornadas
1961/62 Azumir Veríssimo (FC Porto) - 23 golos / 26 jornadas
1962/63 José Torres (SL Benfica) - 26 golos / 26 jornadas 
1963/64 Eusébio da Silva Ferreira (SL Benfica) - 28 golos / 26 jornadas
1964/65 Eusébio da Silva Ferreira (SL Benfica) - 28 golos / 26 jornadas
1965/66 Eusébio da Silva Ferreira (SL Benfica) - 25 golos / 26 jornadas
        Ernesto Figueiredo (Sporting CP) - 25 golos / 26 jornadas
1966/67 Eusébio da Silva Ferreira (SL Benfica) - 31 golos / 26 jornadas
1967/68 Eusébio da Silva Ferreira (SL Benfica) - 42 golos / 26 jornadas
1968/69 Manuel António (Académica Coimbra) - 19 golos / 26 jornadas
1969/70 Eusébio da Silva Ferreira (SL Benfica) - 20 golos / 26 jornadas
1970/71 Artur Jorge (SL Benfica) - 23 golos / 26 jornadas
1971/72 Artur Jorge (SL Benfica) - 27 golos / 30 jornadas
1972/73 Eusébio da Silva Ferreira (SL Benfica) - 40 golos / 30 jornadas
1973/74 Hector Yazalde (Sporting CP) - 46 golos / 30 jornadas
1974/75 Hector Yazalde (Sporting CP) - 30 golos / 30 jornadas
1975/76 Rui Jordão (SL Benfica) - 30 golos / 30 jornadas
1976/77 Fernando Gomes (FC Porto) - 26 golos / 30 jornadas
1977/78 Fernando Gomes (FC Porto) - 25 golos / 30 jornadas
1978/79 Fernando Gomes (FC Porto) - 27 golos / 30 jornadas
1979/80 Rui Jordão (Sporting CP) - 31 golos / 30 jornadas
1980/81 Tamagnini Nené (SL Benfica) - 20 golos / 30 jornadas
1981/82 Jacques Pereira (FC Porto) - 27 golos / 30 jornadas 
1982/83 Fernando Gomes (FC Porto) - 36 golos / 30 jornadas
1983/84 Fernando Gomes (FC Porto) - 21 golos / 30 jornadas
        Tamagnini Nené (SL Benfica) - 21 golos / 30 jornadas
1984/85 Fernando Gomes (FC Porto) - 39 golos / 30 jornadas
1985/86 Manuel Fernandes (Sporting CP) - 30 golos / 30 jornadas
1986/87 Paulo Bacinello «Paulinho Cascavel» (Vitória SC Guimarães) - 22 golos / 30 jornadas
1987/88 Paulo Bacinello «Paulinho Cascavel» (Sporting CP) - 23 golos / 38 jornadas
1988/89 Vata Garcia (SL Benfica) - 16 golos / 38 jornadas
1989/90 Mats Magnusson (SL Benfica) - 33 golos / 34 jornadas
1990/91 Rui Águas (SL Benfica) - 25 golos / 38 jornadas
1991/92 Richard Owubokiri «Ricky» (Boavista FC) - 30 golos / 34 jornadas
1992/93 Jorge Cadete (Sporting CP) - 18 golos / 34 jornadas
1993/94 Rashidi Yekini (Vitória FC Setúbal) - 21 golos / 34 jornadas
1994/95 Hassan Nader (SC Farense) - 21 golos / 34 jornadas
1995/96 Domingos Oliveira (FC Porto) - 25 golos / 34 jornadas
1996/97 Mário Jardel (FC Porto) - 30 golos / 34 jornadas
1997/98 Mário Jardel (FC Porto) - 26 golos / 34 jornadas
1998/99 Mário Jardel (FC Porto) - 36 golos / 34 jornadas
1999/00 Mário Jardel (FC Porto) - 37 golos / 34 jornadas
2000/01 Renivaldo Jesus «Pena» (FC Porto) - 22 golos / 34 jornadas
2001/02 Mário Jardel (Sporting CP) - 42 golos / 34 jornadas 
2002/03 Fary Faye (SC Beira-Mar)   - 18 golos / 34 jornadas
        Simão Sabrosa (SL Benfica) - 18 golos / 34 jornadas
2003/04 Benedict «Benny» McCarthy (FC Porto) - 20 golos / 34 jornadas
2004/05 Liedson Muniz (Sporting CP) - 25 golos / 34 jornadas
2005/06 Albert Meyong (CF Os Belenenses) - 17 golos / 34 jornadas
2006/07 Liedson Muniz (Sporting CP) - 15 golos / 34 jornadas
2007/08 Lisandro López (FC Porto) – 24 golos / 30 jornadas
2008/09 Anderson da Silva «Nénê» (CD Nacional) – 20 golos / 30 jornadas

 
foto de abertura © Reuters


Rui Malheiro

 
analista de futebol, scout e autor. freelancer. escreveu Anuário do Futebol 2008/09 e Anuário do Futebol 2009/10.