Posted 23/10/2012 by Rui Malheiro in Playmaker
 
 

Sport Express | Antevisão Spartak Moscovo – Benfica: «O Benfica vai jogar para vencer».

Spartak Moscovo - Benfica: antevisão
Spartak Moscovo - Benfica: antevisão

Entrevista ao jornal russo Sport Express sobre o Spartak Moscovo – Benfica.

 
Sport Express – Que jogadores de Benfica estarão ausentes do jogo de Moscovo? As suas ausências são preocupantes para o clube?

Rui Malheiro – Pablo Aimar, Carlos Martins e Nolito são as ausências certas no Benfica. Alan Kardec também está indisponível, mas, em princípio, não seria opção para Jorge Jesus, até porque tem sido utilizado na equipa B do Benfica, que disputa a Segunda Liga (equivalente à Pervi Divizion).

SE – A saída de Witsel do Benfica debilitou muito a equipa? Quem é que o substituiu?

RM – As saídas de Axel Witsel e de Javi García debilitaram muito o meio-campo do Benfica. Eram dois jogadores nucleares na equipa: o Javi muito forte a equilibrar a equipa do ponto de vista defensivo e o Witsel pela sua grande qualidade, não só pelo apoio que prestava do ponto de vista defensivo, mas também pela sua capacidade nas saídas para ataque, para criar desequilíbrios no um para um e, até, para aparecer em posições de finalização. Como as duas saídas ocorreram em cima – a de Witsel depois – do fecho do Mercado, o Benfica não conseguiu encontrar substitutos e teve que recorrer às soluções que tinha no plantel. Em termos de alternativas, Nemanja Matic tem sido utilizado no lugar de Javi García. Não é tão forte do capítulo defensivo, mas oferece à equipa uma maior qualidade nas saídas para ataque. A posição de Witsel é que tem sido mais complicada de suprir, até pelas lesões de Carlos Martins e Pablo Aimar, que têm-se debatido com vários problemas físicos desde o início da época. A opção mais regular está a ser Enzo Pérez, um médio argentino, que vinha a jogar como ala. No entanto, na Argentina já tinha jogado em posições mais centrais, mas ainda está a adaptar-se à posição “8”.

SE – Qual é a maior preocupação do Benfica? O tempo frio? O campo sintéctico?

RM – O tempo frio e o campo sintéctico são sempre um obstáctulo para as equipas portuguesas, que estão pouco habituadas a esse tipo de condições. No entanto, não servem como desculpa e o Benfica sabe que é fundamental vencer, mesmo que o empate possa não ser um mau resultado. O objectivo, depois de começar a Champions com um empate e uma derrota, terá que passar sempre por ganhar.

SE – Qual o conhecimento dos portugueses sobre o Spartak actual? Sabem que os dois principais guarda-redes estão lesionados?

RM – A imprensa portuguesa acompanha detalhadamente os adversários dos clubes portugueses nas competições europeias. Fala-se que o lugar do treinador Unai Emery está em risco, como também que Dykan e Pesjakov, o guarda-redes titular e o suplente, estão lesionados, o que deverá conduzir Rebrov, 3º guarda-redes, à titularidade. Para além disso, sei também que Insaurralde, por castigo, é baixa no centro da defesa, e que Parshivlyuk, Gagatov e McGeady não jogam por lesão. Os 3 primeiros reduzem ainda mais as opções para o sector defensivo, ainda que Insaurralde, do que vi dos últimos 4 jogos do Spartak, está num momento de forma muito mau. McGeady é uma baixa importantíssima, já que se trata de um ala/extremo muito importante a dar largura ao jogo ofensivo da equipa.

SE – No jogo Rússia – Portugal estavam só cerca de 100 adeptos portugueses. Consta que na partida entre o Spartak e o Benfica virão mais adeptos de Portugal. É verdade que os adeptos portugueses preferem viajar mais com o clube do que com a Selecção?

RM – Portugal, como deves saber, atravessa uma grave crise económica e uma viagem à Rússia é extremamente cara. À partida, não deverão ser muitos adeptos a acompanhar a equipa, mas serão certamente mais do que os que acompanharam a Selecção. Em Portugal, é muito mais normal acompanhar o clube de que se é adepto do que a Selecção em jogos no exterior.

SE – Na Rússia há praticamente a certeza que se o Spartak perder, este será o último jogo do treinador Emery. De que maneira achas que isso pode influenciar no jogo?

RM – Do que tenho visto, e como te disse observei atentamente os últimos 4 jogos do Spartak, parece-me que o espaço de Emery no Spartak está esgotado. Caso o Spartak perca, estou convencido que dificilmente ficará no cargo. A equipa parece-me pouco unida e psicologicamente muito em baixo, o que ajuda a explicar, por exemplo, as várias expulsões nestes jogos. Para além disso, parece-me que, apesar da vaga de lesões, a equipa está muito pouco consistente do ponto de vista defensivo, onde acumula muitos erros, e, apesar de possuir várias soluções de qualidade no ataque, vive muito de um jogo directo para o avançado. Com as soluções que o plantel possui, tinha obrigação, mesmo com lesões, de apresentar um futebol de mais qualidade e, sobretudo, mais apoiado. A pressão sobre Emery acho que não beneficia a equipa do Spartak. Intranquiliza-a. O Benfica, se fizer um jogo inteligente, poderá tirar partido desse mau ambiente em redor do treinador. A ideia com que fiquei dos últimos 4 jogos é que vários jogadores do Spartak têm uma relação tensa com o treinador, o que, por norma, não ajuda nada neste tipo de situação.

SE – O Benfica é o único clube no grupo da Liga dos Campeões que ainda não marcou nenhum golo. Qual a explicação para essa situação?

RM – Em primeiro lugar, porque o Benfica rematou à baliza menos do que habitual – 22 remates nos 2 jogos – e desses só enquadrou 9 com a baliza. São números curtos e pouco habituais para o Benfica de Jorge Jesus, uma equipa extremamente ofensiva. Explicações para isso: uma exibição desinspirada frente do Celtic, num jogo onde ainda estavam muito vivas as ausências de Javi e Witsel; e as dificuldades em defrontar uma super-equipa como o Barcelona, isto apesar de me ter parecido que o Benfica, em termos ofensivos, acabou por estar melhor diante do Barcelona do que contra o Celtic. Mesmo assim, distante do que habitualmente mostra nas competições em Portugal.

SE – Que jogador do Benfica aconselhas a seguir?

RM – Lima e Rodrigo. É possível que só um deles seja titular, ainda que não seja de excluir a hipótese de jogarem os dois. São dois avançados muito móveis, velozes e com facilidade de remate, que podem explorar as deficiências em velocidade e de posicionamento da defesa do Spartak. Lima, contratado no final de agosto ao Sporting de Braga, está num excelente momento: em 5 jogos pelo Benfica, marcou 4 golos. Já Rodrigo está extremamente motivado, depois de ter marcado 4 golos no jogo de «Playoff» entre a Espanha e Dinamarca na qualificação para o Europeu Sub-21. Para além disso, soma 4 golos pelo Benfica no campeonato.

SE – Qual o teu prognóstico para o Spartak-Benfica?

RM – Acredito que o Benfica venha a ter algumas dificuldades de adaptação ao sintéctico e que, em alguns momentos, sofra um pouco com o jogo directo do Spartak. Se for inteligente a tirar partido das transições defesa-ataque, explorando a velocidade e mobilidade de jogadores como Lima, Rodrigo, Salvio ou Gaitán, poderá vencer em Moscovo. Acho que se tudo correr dentro da normalidade será um jogo com golos.

 
foto de abertura © AFP/Getty Images


Rui Malheiro

 
analista de futebol, scout e autor. freelancer. escreveu Anuário do Futebol 2008/09 e Anuário do Futebol 2009/10.