Posted 16/08/2011 by Rui Malheiro in Colunas
 
 

Twente: o relatório

twente_2011
twente_2011

C

ampeão holandês, pela primeira vez na sua história, em 2009/10, sob o comando técnico do inglês Steve McClaren, o Twente, com o belga Michel Preud’homme como treinador, esteve muito perto de repetir o êxito no último exercício, mas uma derrota na deslocação ao terreno do Ajax (1-3) aniquilou, na derradeira jornada da competição, o sonho do bicampeonato. Um desfecho doloroso para uma época marcada pelas conquistas da Taça e da Supertaça holandesa, como também pela chegada aos quartos-de-final da Liga Europa, na sequência de um 3º lugar na fase de grupos da Liga dos Campeões, onde se cruzaram com Tottenham, Inter Milão e Werder Bremen.

As saídas do técnico Michel Preud’homme, seduzido por uma proposta avultada do Al-Shabab Riyadh, e do médio Theo Janssen, «bad-boy» transformado pelo antigo guardião do Benfica em unidade nuclear dos «Tuckers» e numa das maiores figuras da Eredivisie 2010/11, não diminuíram a ambição do Twente na abordagem à nova época, onde se assume, mais uma vez, como candidato ao título. O irascível Co Adriaanse, campeão português e austríaco, foi a escolha para assumir a sucessão de Preud’homme e regressa, seis anos depois, ao seu País com o objectivo de conquistar o campeonato que lhe escapou ao serviço de Willem II, Ajax e AZ Alkmaar. Garantida a manutenção da estrutura base da temporada anterior, Adriaanse libertou alguns dos excedentários do plantel e apenas efectuou duas aquisições cirúrgicas a «custo-zero»: Willem Janssen, unidade nuclear do meio-campo do Roda, assume a complicadíssima sucessão de Theo Janssen; o veterano Tim Cornelisse, ex-Vitesse, reforça o lado direito do sector defensivo.

O início de temporada tem correspondido às elevadas expectativas em redor da equipa: 5 jogos oficiais, 4 vitórias e 1 empate, apenas 1 golo sofrido, apuramento para a eliminatória de acesso à fase de grupos da Liga dos Campeões e um título conquistado – a Supertaça, diante do Ajax, em plena Amsterdam Arena, o mesmo local onde os «Tuckers» perderam, há três meses, o histórico bicampeonato. Em termos tácticos, Adriaanse tem mantido o 4x3x3 dinâmico utilizado por Preud’homme, muitas vezes desdobrável em 4x2x3x1, mas não se coibiu de elevar fasquias – para além das vitórias, disse que quer o Twente a jogar à Barcelona – e de, como é seu timbre, afastar do «onze» alguns titulares com Preud’homme – Rosales, Buysse ou Landzaat – e de promover à titularidade escolhas menos óbvias como os laterais Cornelisse e Tiendalli ou os jovens promissores Berghuis, Ola John e Leugers.

 

2011/12: Jogo a Jogo

Twente 2-0 Vaslui

 
Twente 2-0 Vaslui

Ajax 1-2 Twente

 
Ajax 1-2 Twente

Ao intervalo, Co Adriaanse lançou Bryan Ruiz e abdicou de Ola John. Dois minutos após o reinício, Steven Berghuis foi expulso e o Twente ficou reduzido a 10 unidades. Adriaanse, com o Twente em vantagem no marcador, não demorou a abdicar de Janko e a lançar Leugers, passando a jogar num 4x4x1, por vezes desdobrável em 4x3x2. O Ajax empataria o jogo pouco depois, mas o Twente conseguiria chegar à vitória graças a um golo de Bryan Ruiz.

Ajax 1-2 Twente (II)

Vaslui 0-0 Twente

 
Vaslui 0-0 Twente

NAC Breda 0-1 Twente

 
NAC Breda 0-1 Twente

Como acabou:

NAC Breda 0-1 Twente (II)

Twente 2-0 AZ Alkmaar

 
Twente 2-0 AZ Alkmaar

Como acabou:

Twente 2-0 AZ Alkmaar (II)

 

Twente vs. Benfica: «Onze» Provável (4x3x3/4x2x3x1)

Twente vs. Benfica: «Onze» Provável (4x3x3/4x2x3x1)

 
Nikolay Mihailov, internacional búlgaro, é o titular indiscutível na baliza e atravessa um excelente momento de forma. O veteraníssimo Sander Boschker, 40 anos, grande referência do clube, é o seu suplente, enquanto que o jovem Nick Marsman é o terceiro guardião do plantel.

– Na defesa, Co Adriaanse definiu rapidamente um quarteto e não deverá promover qualquer alteração. Peter Wisgerhof, capitão de equipa, e o brasileiro Douglas formam a habitual dupla de centrais, cabendo ao sueco Rasmus Bengtsson o papel de principal alternativa. Na lateral direita, o veterano Tim Cornelisse, ex-Vitesse, conquistou o lugar a Roberto Rosales, internacional venezuelano e titular indiscutível com Preud’homme. A forte vocação ofensiva de Rosales fez com que só tenha sido utilizado por Adriaanse a médio ala direito. À esquerda, Dwight Tiendalli, um lateral direito de origem, conquistou, com alguma surpresa, a titularidade, até por se tratar de um jogador de características marcadamente defensivas e que dá muito pouca profundidade do ponto de vista ofensivo. Com isso, o belga Bart Buysse, aposta de Preud’homme na segunda metade da época passada, perdeu espaço, tratando-se, à semelhança de Rosales, de um jogador mais vocacionado para atacar do que para defender. Nicky Kuiper, internacional sub-21 holandês, parece ser, de momento, apenas a terceira opção para a posição.

– No meio-campo também não existem dúvidas: Wout Brama e Willem Janssen formam a dupla de médios centro, tratando-se, no entanto, de jogadores «box to box» e que integram frequentemente acções ofensivas, penetrando, com e sem bola, na 3ª e até na 4ª fase de construção de jogo. Por norma, Brama está obrigado a maiores labores defensivos e Janssen tem maior liberdade para atacar, mas é normal permutarem os papéis. Já Luuk de Jong, um avançado centro de origem, desempenha funções de médio mais ofensivo, usufruindo de liberdade para jogar a toda a largura do campo: não raras vezes, em momento ofensivo, aparece sobre as alas ou, dentro da área, como segundo avançado, como também, em momento defensivo, baixa para zonas próximas às de Brama e Janssen. O jovem alemão Thilo Leugers, também capaz de actuar como lateral ou ala esquerdo, surgiu, nos primeiros jogos da temporada, como principal alternativa para a zona central do terreno, mas uma lesão, que poderá ser impeditiva da sua utilização no jogo da 1ªmão, permitiu ao veterano Denny Landzaat, titular com Preud’homme e antiga unidade nuclear do AZ Alkmaar de Adriaanse, reconquistar espaço. Na defesa de um resultado, sobretudo nos últimos 20-25 minutos, o técnico do Twente tem abdicado de Janko e reforçado o sector intermediário com mais uma unidade, aproximando-se de um 4x3x3 mais clássico, fruto do avanço Luuk de Jong para o papel de referência ofensiva da equipa.

– Nas alas, a titularidade de Bryan Ruiz é uma certeza, devendo actuar a partir do flanco direito, ainda que a troca de posição entre os extremos seja frequente. Restam muitas dúvidas sobre quem será o outro extremo. O internacional belga Nacer Chadli, também capaz de actuar como médio ofensivo, seria a opção mais natural, mas lesionou-se na pré-temporada e deve falhar o duplo confronto com o Benfica. O seu substituto natural seria o internacional sueco Emir Bajrami, só que, à semelhança de Chadli, tem convivido com inúmeros problemas físicos durante esta fase inicial de época e, apesar de ter sido dado como apto, a sua utilização está em dúvida. Por isso, o canhoto Steven Berghuis, o mais utilizado até ao momento, e o destro Ola John, dois jovens de 19 anos, surgem como as principais opções para o lugar em aberto. Na frente do ataque, o internacional austríaco Marc Janko, autor de 5 golos nos 5 primeiros jogos da temporada, será o titular. Reencontra-se com Adriaanse, técnico que já o orientara no Red Bull Salzburgo, na melhor temporada da sua carreira: 39 golos em 34 jogos na Bundesliga austríaca. Luuk de Jong é a principal alternativa para a sua posição, a que se junta ainda o jovem eslovaco Andrej Rendla, utilizado durante alguns minutos na pré-eliminatória diante do Vaslui.

 

Chaves

1. Poder ofensivo – Equipa de forte pendor atacante, o Twente cria, com facilidade, situações de finalização, tirando partido do enorme dinamismo e da grande mobilidade dos seus jogadores, como também das rotinas já criadas. Capaz de explorar o jogo exterior, principalmente pelo flanco direito, a formação orientada por Co Adriaanse coloca, habitualmente, três jogadores na área, que procuram, na maior parte das ocasiões, finalizações em antecipação: Marc Janko, a principal referência ofensiva, tende a atacar o 1º poste, espaço para onde são direccionados a maior parte dos cruzamentos, mas de Jong – ou um dos médios centro – e o extremo do lado oposto ao que é realizado a acção ofensiva atacam o 2º poste. Existe também uma grande tendência dos alas/extremos em explorar movimentos em diagonal com bola: o canhoto Bryan Ruiz, pela sua qualidade, imprevisibilidade e sentido de baliza, é o jogador mais perigoso, sobretudo quando sai da direita para o meio.

2. Posse e circulação de bola – Adriaanse prometeu, no início da época, um Twente «a jogar à Barcelona». É pedir muito ao conjunto de jogadores que tem à sua disposição, mas a sua tendência para o exagero é sobejamente conhecida. Contudo, é uma equipa que se sente confortável com bola e que joga à base de passes curtos e médios a partir da 1ª fase de construção. Os centrais e os médios centrais procuram, em algumas situações, variações médias e longas em direcção às alas, que se tornam mais acutilantes entre a 2ª e a 3ª fase de construção, onde Brama, o jogador mais eficaz nesse aspecto, assume, por norma, as acções de condução e distribuição. Na 3ª fase, por exemplo, quando o adversário está bem organizado do ponto de vista defensivo, o Twente consegue ser paciente e fazer a bola circular, através de passes curtos e médios, de um flanco ao outro, à espera do momento certo para criar um desequilíbrio e chegar à área adversária. Apesar da maior tendência para sair em ataque organizado, a formação holandesa também se mostra perigosa na exploração de ataques rápidos: nesse aspecto, Bryan Ruiz é o jogador mais perigoso, muitas vezes a partir de acções individuais, mas Ola John também consegue criar problemas com a sua velocidade e poder de drible.

3. Capacidade de pressão e agressividade – Em casa, o Twente tende a subir as linhas e, em algumas ocasiões, coloca os seus 10 jogadores de campo no meio-campo adversário. Uma perda de bola na 3ª ou entre a 3ª e a 4ª fase de construção deixa a equipa muito exposta a transições rápidas do adversário, aspecto que é compensado com grande pressão e agressividade assim que a bola é perdida. Não raras vezes, dois jogadores caem imediatamente sobre o portador da bola e procuram dificultar a transição e efectuar a recuperação. Quando não conseguem, não hesitam em recorrer a pequenas faltas. Em vantagem no marcador ou fora de casa, a equipa tende a baixar as linhas, muitas vezes com 9 jogadores de campo atrás da linha da bola, e a efectuar uma pressão média ou média-baixa. A agressividade e intensidade na pressão, principalmente em zona central, é muito forte, tanto por parte dos defesas como dos médios, que procuram impor-se na antecipação.

 

Análise

– O internacional búlgaro Nikolay Mihailov, de 23 anos, filho de Borislav Mihaylov, antigo guarda-redes do Belenenses e da Selecção AA da Bulgária, tem sido uma das figuras do início de época do Twente e as suas excelentes actuações diante de Ajax, Vaslui e AZ Alkmaar – apenas 1 golo sofrido em 4 jogos – levaram Co Adriaanse a elogiá-lo publicamente. Dono de muito bons reflexos, grande agilidade e elasticidade, mostra-se capaz de protagonizar excelentes intervenções entre postes, como também revela bons argumentos nas saídas pelo chão e aéreas, principalmente dentro da pequena área. Se é certo que, em algumas ocasiões, se mostra excessivamente confiante na abordagem aos lances, aspecto que deverá rever, sente-se extremamente confortável a jogar com os pés, o que faz com que os seus colegas de equipa o procurem muitas vezes, assumindo as saídas para ataque como se de um libero se tratasse.

– Apesar dos números aparentemente o desmentirem – 1 golo sofrido em 5 jogos oficiais em 2011/12 -, a consistência do sector defensivo está longe de ser uma das imagens de marca do Twente de Adriaanse. Os centrais são fortes fisicamente, agressivos e revelam bons argumentos no futebol aéreo, mas mostram-se algo vulneráveis em velocidade e pouco ágeis. Os laterais sentem-se muito pouco confortáveis quando as suas costas são exploradas, como também revelam uma preocupação excessiva em fechar espaços interiores – principalmente Tiendalli, um jogador rápido e ágil, mas algo lento a reagir aos lances e, por vezes, pouco concentrado –, o que os leva a descurar um pouco a defesa dos espaços exteriores, nem sempre contando com o devido apoio dos alas – Bryan Ruiz é o que confere menos apoio defensivo -, o que abre espaço a acções de combinação e de desequilíbrio dos alas e dos laterais adversários. A opção, em algumas ocasiões, por uma marcação homem a homem, leva os centrais – principalmente Douglas, mais impetuoso e pressionante – a saírem frequentemente de posição, o que abre espaços em zonas centrais. Nos jogos em casa, o Twente, enquanto não se coloca em vantagem, tende a defender muito alto, o que faz com que exista imenso espaço nas costas do sector defensivo, aspecto que deve ser explorado em transições rápidas.

– O guarda-redes e os defesas assumem, frequentemente, a saída para ataque e trocam a bola, através de passes curtos e médios, na 1ª e na 2ª fase de construção, arcando várias acções de risco. O facto de Mihaylov se assumir como um libero, faz com que seja frequentemente solicitado e os centrais, ao procurarem criar linhas de passe, abrem, muitas vezes, junto às laterais, o que deixa o Twente muito exposto, em caso de perda de bola, na sua zona central. Por isso mesmo, torna-se crucial uma pressão média-alta por parte do adversário em busca da recuperação. Douglas é o jogador que assume mais acções de risco, ainda que, em algumas situações, acabe por realizar boas acções de desequilíbrio – chega a penetrar com bola na 3ª fase de construção – e aberturas em direcção ao ataque. Já Wisgerhof é menos expansivo, optando, quase sempre, por acções de risco reduzido e passes em segurança. Os laterais Cornelisse e, principalmente, Tiendalli – muito limitado tecnicamente e com grande tendência a realizar atrasos – mostram-se falíveis quando são pressionados. No entanto, Cornelisse é capaz de realizar bons passes laterais e de penetrar, principalmente em combinações com o ala, na 3ª e 4ª fase de construção, procurando, quase sempre, cruzamentos ao 1º poste. Já Tiendalli projecta-se muito pouco do ponto de vista ofensivo e é raro vê-lo efectuar um cruzamento ou um passe lateral médio-longo.

– A perda de uma unidade nuclear como Theo Janssen, preponderante em lances de bola corrida e bola parada, constitui uma baixa de muito peso no meio-campo do Twente. William Janssen, o seu substituto, assumia um papel preponderante na equipa do Roda, principalmente em lances de bola corrida, mas apesar de dinâmico, não se trata de um jogador tão agressivo, intenso e decisivo. Ainda está em fase de adaptação ao seu novo clube e o seu rendimento tem crescido de jogo para jogo, conferindo equilíbrios do ponto de vista defensivo, fruto do seu sentido táctico e disponibilidade física, como também evidencia argumentos interessantes no passe – mais curto e médio – e uma óptima capacidade de desmarcação: falta-lhe, no entanto, uma maior confiança e acutilância a realizar passes de ruptura e no capítulo do remate.

Wout Brama, jogador de uma tremenda disponibilidade física e elevada cultura táctica, não tem parado de crescer e parece claramente talhado para voos mais altos. Exímio recuperador, tanto a partir de acções de antecipação ou no desarme pelo chão, mostra também desenvoltura do ponto de vista técnico e uma boa capacidade de passe, principalmente curto e médio, o que lhe permite assumir acções de condução e distribuição de jogo, aparecendo, muitas vezes, em plena 3ª fase de construção ou a fazer a ligação entre esta e a 4ª. Assume, por isso mesmo, um papel preponderante, no jogo de posse e circulação que caracteriza o Twente, mostrando óptimos argumentos, à semelhança do que acontece com William Janssen, a abrir o jogo em direcção aos flancos.

Luuk de Jong, um avançado-centro de origem, tem vindo a desempenhar funções de médio mais ofensivo. Jogador de enorme mobilidade e capaz de produzir desequilíbrios, está longe de cingir a sua acção ao espaço central do meio-campo e, não raras vezes, abre sobre os flancos, procurando combinar com os alas ou com os laterais. Capaz de realizar passes de ruptura, de frente ou de costas para a baliza, destaca-se também pela enorme inteligência e perspicácia a desmarcar-se, muitas vezes no limite do fora-de-jogo, revelando grande sentido de oportunidade em zona de finalização: sabe tirar partido do seu bom remate com os pés – o direito é o que melhor define e também o utiliza de fora da área – e dos seus bons argumentos no jogo aéreo. Muito trabalhador e com grande sentido colectivo, não se nega a trabalhar do ponto de vista defensivo e consegue efectuar várias recuperações.

– Equipa marcadamente ofensiva, o Twente apresenta um sector ofensivo muito dinâmico e já com bastantes automatismos, o que lhe permite criar, com grande facilidade, situações de finalização. As trocas entre os extremos são frequentes, como também a exploração dos seus movimentos em diagonal: Bryan Ruiz é, de longe, o jogador mais forte e acutilante nesse aspecto, principalmente quando actua a partir do flanco direito, não só pelos desequilíbrios que consegue provocar, ao conciliar velocidade, poder de aceleração e agilidade a capacidade de drible, mas também pelo seu sentido de baliza e facilidade de remate com o pé esquerdo: à entrada da área ou já dentro desta. O destro Ola John, quando actua sobre a esquerda, e o canhoto Steven Berghuis, quando actua sobre a direita, também procuram, diversas vezes, esse tipo de movimento, mas falta-lhes uma maior capacidade de definição. No entanto, Ola John é um jogador que promove grande agitação no jogo, fruto da sua velocidade, poder de aceleração e capacidade de drible, ainda que a sua tendência para individualizar de forma excessiva as acções o leve a perder objectividade. Já o canhoto Bajrami, por actuar, quase sempre, sobre a esquerda, tende a procurar a linha de fundo e os cruzamentos para a área, a maior parte deles direccionados ao primeiro poste.

– O maior envolvimento ofensivo do lateral direito Cornelisse em relação a Tiendalli, lateral esquerdo que raramente penetra na 4ª fase de construção de jogo, faz com que a equipa privilegie os ataques pelo flanco direito. Cornelisse, lateral que tende a cruzar ao primeiro poste, conquista, algumas vezes, a linha de fundo, a partir de combinações com o ala – beneficiando também do facto de Adriaanse optar, quase sempre, por extremos canhotos à direita (Ruiz ou Berghuis), o que os leva a procurar movimentos em diagonal – ou com de Jong. A falta de apoio ofensivo de Tiendalli faz com que os ataques pela esquerda dependam muito da capacidade de condução e de promover desequilíbrios dos ala/extremos: Ruiz, Berghuis, Bajrami e John já foram utilizados nessa posição em 2011/12.

Marc Janko é a principal referência ofensiva do Twente e atravessa um excelente momento de forma, bem atestado nos 5 golos em 5 jogos oficiais. Forte fisicamente, sem perder mobilidade e perspicácia a desmarcar-se, muitas vezes no limite do fora de jogo, mostra-se particularmente astuto a atacar o 1º poste em lances de bola corrida, procurando antecipar-se aos defesas adversários. Define, preferencialmente, com o pé esquerdo ou através do jogo aéreo. Adriaanse, no entanto, não se limita a colocar o seu avançado referência na área: De Jong – ou um dos médios centro – e o extremo do lado oposto ao que é realizado a acção ofensiva atacam, muitas vezes, o 2º poste.

– Quando pretende segurar um resultado, Co Adriaanse, nos últimos 20-25 minutos, abdica do avançado centro Marc Janko e lança mais um médio (face à lesão de Leugers, o veterano Denny Landzaat passou a ser a principal opção), aproximando-se de um 4x3x3 clássico, já que Luuk de Jong avança no terreno e passa a ser a principal referência ofensiva da equipa. Landzaat, com a sua experiência, oferece o seu sentido posicional e capacidade de trabalho a nível defensivo, mas destaca-se sobretudo pela visão de jogo e argumentos no passe – não só curto e médio, mas também longo –, como também pelo seu forte remate com o pé direito. Leugers, por sua vez, é um jogador canhoto, com argumentos interessantes do ponto de vista defensivo, ao combinar sentido táctico a um bom poder de antecipação, mas também capaz de se desdobrar do ponto de vista ofensivo, tirando partido da sua velocidade e disponibilidade física, a que junta atributos muito razoáveis no passe e algum sentido de baliza.

– Como nunca esteve em desvantagem no marcador em 2011/12, Co Adriaanse ainda não se viu na necessidade de fazer alterações para tentar dar a volta a um resultado. No entanto, não será de estranhar a adopção de um 4x2x4. E nem precisará de recorrer ao banco dos suplentes: poderá avançar de Jong para o lado de Marc Janko. Outra opção poderá ser o 3x3x4, abdicando de uma das unidades do sector defensivo.

– Co Adriaanse tem substituído, na maior parte dos jogos, os dois alas/extremos no decurso das segundas partes, procurando manter sempre uma intensidade alta sobre os flancos. Conta com várias soluções para a posição: se Bryan Ruiz é, à partida, titular indiscutível, Bajrami, Berghuis e John disputam o outro lugar nas alas. Os dois jogadores que não forem titulares serão, juntamente com Rosales, lateral ou ala direito, opções a serem lançadas no decurso da etapa complementar. Caso recupere, o que não se afigura fácil, o internacional belga Nacer Chadli, titular em 2010/11, poderá ser mais uma opção para o jogo da segunda mão. É um desequilibrador, ao aliar velocidade e agilidade a um bom poder de drible, características a que junta ainda capacidade de remate com o pé direito e no capítulo das assistências para situações de finalização.

– A saída de Theo Janssen para o Ajax fez com que o Twente perdesse o seu maior especialista na execução de lances de bola parada: directos ou indirectos. O aproveitamento dos livres directos tem sido muito baixo e Adriaanse ainda não encontrou o sucessor de Janssen: Bajrami e Berghuis, dois canhotos, e Landzaat, destro, foram as soluções testadas. Janko é o marcador de grandes penalidades, mas Landzaat, Bryan Ruiz e de Jong são outras opções às quais Adriaanse pode recorrer.

– Já a nível dos livres laterais e pontapés de canto, os «Tuckers» revelam-se extremamente perigosos, tirando partido da subida dos dois centrais – Wisgerhof e Douglas, que atacam um dos postes (Wisgerhof, preferencialmente, o primeiro, e Douglas, o segundo), mas também da presença de de Jong e Janko, entre o centro e um dos postes. Os cantos e livres laterais à direita são batidos, normalmente, por Berghuis, surgindo Bryan Ruiz como segunda opção: ambos procuram, quase sempre, o primeiro poste. À esquerda, Adriaanse já testou 4 jogadores: Jenssen – direcciona ao 1º poste – e John – direcciona ao 2º poste -, dois destros, têm sido as opções mais habituais, mas Cornelisse e Brama também já foram chamados a executá-los. Em algumas situações, os cantos são batidos à maneira curta, procurando uma tabela 2×1 com um dos extremos, que sai do 1º poste e devolve o passe para depois ser executado um cruzamento tenso para a área. Brama e Jenssen (ou Ruiz) costumam posicionar-se à entrada da área para um eventual remate de ressaca.

– Nas bolas paradas defensivas, o Twente tende a defender com 8 jogadores de campo dentro da área, assumindo, por norma, uma marcação mista zona/homem a homem. Apesar da elevada estatura de vários jogadores, reforçada pela presença de de Jong e Janko, por vezes são surpreendidos por acções de antecipação aérea dos jogadores adversários, aspecto que poderá ser explorado.

 

foto de abertura © fctwente.nu


Rui Malheiro

 
analista de futebol, scout e autor. freelancer. escreveu Anuário do Futebol 2008/09 e Anuário do Futebol 2009/10.