Posted 09/06/2011 by Caderneta da Bola in Especiais
 
 

Ziad: O voo rasante da Águia de Cartago rumo ao golo e à liberdade.

ziad
ziad

R

etomar o fio à meada tem destas coisas. Os temas sucedem-se encadeados e cada treino que começa ao fim da tarde no pelado mal iluminado do grupo desportivo A Caderneta da Bola, começa instintivamente no ponto onde o treino anterior acabou. Um círculo sem fim nem princípio, no fundo, um maravilhoso carrossel a fazer lembrar o entrosamento de Yulian, Tulipa e Jaime Pacheco no meio campo de mogno da Mata Real a princípios dos 90, décadas antes do futebol contraplacado de Vitória.

O adepto atento, o do transistor e da sueca à sombra à espera do treino, já terá percebido que o que subjaz a este movimento perpétuo é a busca do futebol total na riqueza dos detalhes. Também não surpreende que essa deriva, esse vendaval ofensivo, nos motive a buscá-lo, pelo menos por agora, na origem, no começo de tudo, no berço. E é na cidade berço, no momento em que voltamos à interrompida saga vimaranense, que encontramos um dos mais pulcros exemplos do futebolista total. E o futebolista total é em primeiro lugar um homem novo que, neste caso, não vem da mata mas sim do deserto e novamente da Tunísia, que torna a ser fim e princípio de tudo. Filho do lendário Abdelmajid Tlemçani, puro sangue árabe que carimbou 54 tentos no final dos anos 50 tingido do vermelho e amarelo do Espérance de Tunis, falamos de outra estrela que viu em Guimarães uma parte importante do seu interregno de estrelato num dos principais clubes africanos. Ziad Tlemçani.

Chegados a este ponto, fácil seria discorrer detalhadamente sobre a sua trajectória em Guimarães, estada que o consagrou como um dos maiores avançados a pisar o território português desde que no território português se começou a pontapear esféricos de couro em direcção a balizas. Tão fácil, aliás, como a goleada infligida pelos vimaranenses ao promissor Famalicão de Medane, Menade (operação no defeso com o propósito expresso de confundir comentadores) e Barnjak, orientados por Josip Skoblar, o Neptuno de Prevlaka e timoneiro de um histórico e premiado Hajduk Split. Tão fácil como o golo disparado de primeira por Tlemçani nesse mesmo jogo.

45 golos em mais de 100 jogos ao longo de 5 épocas, vitórias europeias incluídas como aquela noite lendária contra a Real Sociedad

45 golos em mais de 100 jogos ao longo de 5 épocas, vitórias europeias incluídas como aquela noite lendária contra a Real Sociedad, uma CAN jogada em casa na qual a sua selecção ficou pelo caminho na fase de grupos, em certame ganho pelo dream team nigeriano. Uma relação tumultuosa com alguns dos seus treinadores (que o diga Marinho Peres), outra de amor indestrutível com os Insane Boys (delicioso pleonasmo tratando-se de adeptos vitorianos) e outra, paralela, de elevado teor paternal na fronteira do freudiano com o seu presidente, quiçá reconhecendo em Dom Pimenta Machado a presença de um pai Abdelmajid que nunca chegou a ser suficientemente presente aos pés do Gerês.

Depois de Guimarães, quando todos os indícios de análise futebolística apontavam para uma carreira em declínio, Ziad decidiu, como no primeiro dia, que ainda havia história por escrever e embarcou na aventura de ser o primeiro futebolista africano a jogar no Japão. O destino foi uma Kobe na ressaca de um dos mais violentos terramotos que a história da humanidade conheceu e a missão a de reerguer os ânimos destroçados de uma cidade em profunda depressão. Na segunda divisão japonesa, apresentou-se às ordens de Stuart Baxter, ex escudeiro e oficioso conselheiro das noites de Malcolm Allison nas docas setubalenses com os fantasmas da Torralta ao fundo, ruínas de outros terramotos, e partilhou, no primeiro ano, o estrelato internacional no plantel com o suíço Thomas Bickel. A sua segunda temporada no país do sol nascente é a da confirmação que mais que o primeiro futebolista africano a subir à relva nipónica, Ziad erigiu-se um dos principais artífices da regeneração emocional da massa adepta do Vissel, contribuindo com 25 golos para a subida à J-League e deleitando o público com momentos de magia ancestral em parceria com Michael Laudrup. A terceira temporada é a da estabilidade ao mais alto nível e a do arigato profundo que só os samurais de cabeça alta pelas batalhas ganhas podem ostentar, antes do regresso a Tunes, onde lhe esperava o périplo pela liberdade.

É com o fim da carreira futebolística, com a distância, que a figura de Ziad adquire uma clareza tão imponente quanto perturbadora. Ao contrário do seu compatriota e antigo companheiro na cidade-berço Taoufik, que optou por abrir um conceituado ginásio para a burguesia magrebina e expatriados ávidos de exercício e volumosas carteiras – o esplendoroso California Gym, que a Caderneta da Bola recomenda para quem busque em Tunes uma sessão de fitness com classe – Ziad enveredou por uma nova carreira sempre em crescendo. Não contente com posições técnicas e directivas no Espérance, com a aprendizagem técnico-táctica ao lado de nomes como Sacchi ou Arsène Wenger e mesmo com alguns biscates no trading de camaradas da bola como o lateral Trabelsi, o mito preferiu navegar nos ventos da modernidade e da liberdade.

Não é de estranhar que alguns rankings de popularidade o situem como o quinto tunisino mais famoso do país

Prova disso é a pugna pela liberdade de expressão com uma polémica e transgressora candidatura à Federação de Futebol do país, bloqueada pelo hoje tirano caído em desgraça Ben Ali e a criação de aquilo que alguns designam já como o Sand Valley, o Sillicon Valley do deserto, liderando o sector dos cartões de telefone e telemóveis com a empresa de sua criação, Bitaka Tunisie. Não é de estranhar que alguns rankings de popularidade o situem como o quinto tunisino mais famoso do país, numa lista encabeçada pelo Picasso da bola, Darragi, que numa ironia cruel parece estar prestes a assinar pelo seu rival figadal no Minho.

Como afirmávamos antes, os intermináveis brainstormings em frente à ardósia do pré-fabricado antes das sessões de treino cadernético conduzem a busca novamente à origem. Se recuarmos no tempo e no texto, o ímpeto com o qual agora Ziad empunha o jasmim é o mesmo dos 50 golos em Portugal, o mesmo dos 25 golos nas ruínas de Kobe, o mesmo da humildade sob a batuta de Sacchi, o mesmo no desafio ao establishment oligárquico. Uma raposa do deserto a caminhar no precipício, entre a glória e o abismo, entre o céu dos golos e o inferno dos fundos de investimento. Todos os elementos a fechar o círculo. E a guardar as bolas, os pinos e os coletes, que amanhã volta a haver treino.

 

foto da abertura © glórias do passado


Caderneta da Bola

 
Historiografia, narrativas e estatísticas de figuras e episódios lendários da bola, essa arte geométrica. COMPÊNDIO DO ESFÉRICO: O blog Caderneta da Bola é uma preciosidade. Os autores exibem uma erudição futebolística extraordinária, uma memória espantosa e um contagiante gosto pela petite histoire, tudo relatado num português voluptuoso. (Ricardo Araújo Pereira)